Zarpando para um novo estaleiro

Atrasou um bocadinho, mas do final de março para mais tardar o começo de abril não foi muita coisa não… Ao menos se considerarmos que já fazia três anos e meio que o Titanic estava lá na oficina!!!

Mas isso não foi nada demais, pois foi como sempre falei para o Seo Waltair: “Nossa combinação tá perfeita, já que o senhor não tem pressa e eu não tenho dinheiro…”

E, apesar de tudo, o combinado não é caro. Ele acabou a parte dele. Então era a vez de eu honrar a minha parte. Por isso é que ainda tivemos que aguardar mais uns pares de meses… Não que ele se negasse a me deixar levar o carro! Nada disso! Foram anos de convivência e mútua confiança até chegarmos nos dias de hoje – mesmo antes do início da reforma. Eu é que sou sistemático mesmo e não me sentiria bem em retirar o Titanic de lá sem deixar, no mínimo, tudo muito bem encaminhado em termos de pagamento. E foi o que fiz!

Mas toda – TODA – história tem um começo, meio e fim…

E agora, já com o casco restaurado e a casa de máquinas em pleno funcionamento, é chegada a hora do Titanic zarpar para um novo estaleiro. Afinal de contas há que se dar início à Sexta Fase!

    
Não um “adeus”, apenas um “até logo”…

Então foi assim: cheguei cedim, proseei um bocadim com o Mestre dos Magos, ele me indicou um guincheiro BBC (Bão, Barato e de Confiança), liguei pro caboclo, combinamos o preço, demorô um cadim mas ele veio, ponhêmo o Titanic arriba do caminhão e zarpemo!

Oi? Não entenderam direito? Tãotáintão. Foi desse jeito:

 

Ah, só pra constar, o Seo Waltair estava ali em cima firmando o arame que segura as portas, uma vez que elas estão sem trinco e poderiam abrir no caminho…

E então, cerca de quinze quilômetros depois, da porta da mecânica até a porta da autoelétrica, o Titanic aportou bem em frente de uma praça!


“Ostentação…”


“Oi, tentação!”

E ói: enquanto eu aguardava o japonês liberar espaço na oficina (tinha um carro aberto, sem o motor de arranque, bem no caminho) foi um tal de passar gente com olho comprido que deu até orgulho!

Mas como comigo sempre tem que acontecer algum perrengue, na hora de colocar o carro pra dentro quem disse que eu lembrava como era a ré? Cutuquei, engatei, desengatei, custou mas lembrei: tinha que puxar a alavanca pra cima e trazer como se fosse engatar a segunda! Arre, afinal faz tantos anos desde que eu o dirigi pela última vez…


Em seu novo Estaleiro…


Devidamente ancorado.

Aliás, antes que eu me esqueça: também já deixei combinado com o japonês a questão do não ter pressa e não ter dinheiro… Não que o Titanic vá ficar mais alguns anos por lá – até porque o espaço dele é limitado – mas, sendo bem mais perto de casa, fica mais fácil de ir acompanhando essa nova fase…

Enfim, que se iniciem os trabalhos!

😀

Compasso de espera (de novo)

Muito bem e como estamos agora?

Isso mesmo: “em compasso de espera”…

Acontece que com o Seo Waltair eu tinha a seguinte combinação: ele não tinha pressa e eu eu não tinha dinheiro. E afinal de contas – agora mais do que nunca – preciso tomar cuidado para, como diz o ditado, “não dar um passo maior que a perna”.

Como muitos já sabem nos últimos anos trabalhei na Prefeitura Municipal de Jacareí (se quiserem uma versão completa da saga confiram nesta sequência de posts aqui). Porém agora não mais. Novos caminhos me aguardam no campo profissional e devo tomar cuidado com o dinheiro que vai entrar em relação às dívidas que teimam em continuar existindo (horcruxes, com certeza).

Ao menos no que diz respeito ao Titanic tá tudo certo. Bem, quase. Ainda falta uma quirerinha para acabar de acertar, mas algo totalmente administrável. Ficou combinado que, ainda que ele já esteja pronto e esta fase concluída, ainda vou deixar o carro ali na oficina até final de março, mais tardar começo de abril, antes de providenciar seu transporte para a próxima fase.

Hm? Que fase? Bão, vamos recapitular:

A Primeira Fase foi o “estudo”. Comprar o veículo, conhecê-lo, compreender suas limitações, projetar o que pretendia fazer, o que reformar, como começar. Esse tipo de coisa. Essa fase foi de JAN/2007 a MAR/2007.

A Segunda Fase foi a “funilaria grossa”. Foi quando meu pai e eu cuidamos de substituir toda a podreira gigantesca que se escondia (ou não) na lata do veículo por chapas novas e bem soldadas, bem como acabar de desmontá-lo totalmente. E quando eu digo totalmente, é totalmente mesmo! À exceção dos pinos das portas, nenhum outro parafuso estava presente! Foi um período bastante longo, que inclusive teve uma separação e uma reconciliação no meio do caminho, mas isso é uma outra história… Essa fase foi de ABR/2007 a MAR/2013.

A Terceira Fase foi a “pintura” (acompanhada de uma “funilaria fina”). Escolhi qual seria a nova cor do veículo e foram feitos todos os arremates na lataria para deixá-lo tal qual novo. Essa fase foi de ABR/2013 a SET/2013.

A Quarta Fase foi a “mecânica básica”. Foi o começo da reconstrução, começando pelo sistema de amortecedores, o sistema de freios e a busca e adaptação de uma direção hidráulica. Tudo que podia ser reformado foi reformado e tudo que tinha que ser novo ficou novo. Essa fase foi de OUT/2013 a ABR/2014.

A Quinta Fase foi a “mecânica completa”. O motor de seis cilindros que consegui estava subindo óleo no sexto cilindro, o que demandava de uma retífica completa antes de sua instalação e adaptação no cofre do veículo. Ficamos um bom tempo atrás de um câmbio de 5 marchas para 6 cilindros, mas, dada a dificuldade de encontrar algum, resolvi deixar para um outro momento. Essa fase foi de MAI/2014 a MAR/2017 (que é quando ele efetivamente vai sair da oficina).

Percebam que a cada fase nos aproximamos um pouco mais de ter um carro totalmente novo de volta à garagem, com tudo zerado e funcionando perfeitamente!

E agora teremos a Sexta Fase: a “parte elétrica”. Já estou combinando com um amigo eletricista lá perto de casa o tamanho do enrosco antes de levar o Titanic até ele.

E eis, a seguir, provavelmente uma das últimas sequências de fotos ainda na oficina…

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

DEZ ANOS!!!!

CARÁI!!!!

Foi agora, no último dia vinte!

DEZ ANOS…

E deixei passar em branco… 🙁

Moçada, güenta aí mais um bocadinho, pois ainda tenho que acabar de resolver uns coisos na minha vida profissional – até porque preciso de grana pra continuar, certo?

Volto logo.

Logo, MESMO! 😀

Presente de Natal

Muito bem, crianças, moçoilas e marmanjos em geral.

Então? Vamos continuar?

Muita gente não entendeu sobre o que eu falei aqui, então deixa eu explicar melhor.

Sou advogado. Pelo menos, tento. Desde 2001 eu trabalhava na Prefeitura Municipal de Jacareí num dos chamados “cargos em comissão”, ou seja, eu era ocupante de um cargo de confiança. Sim, era. Acontece que invariavelmente esse tipo de cargo está intrinsecamente ligado à Administração que estiver no governo. Trabalhei lá de 2001 a 2004, quando o Prefeito de então se reelegeu e me convidou a continuar de 2005 a 2008. Ele fez seu sucessor, que por sua vez me convidou para um desafio até maior e lá fiquei de 2009 a 2012. Ele também se reelegeu e eu também continuei de 2013 a 2016. Entretanto, diferente do anterior, apesar de uma excelente administração (e não, não estou “puxando a sardinha” pro meu lado), ele não fez seu sucessor. Então o próximo dia 31 será meu último dia na Prefeitura e dali em diante, novos desafios!

Bem, esse é o resumo da coisa. A história é bem mais longa e merece ser contada com detalhes, mas deixarei isso para meu outro blog, o Legal.

Mas por hoje fui lá no Seo Waltair pra dar uma conferida nos detalhes que ainda faltavam. Ele estava atrás de um tanque de bom tamanho e mais uma ou outra pecinha para arrematar o motor. Fui chegando e fui conferindo…

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

E o tanque estava lá, brilhando, novinho, pronto para abastecer o motor do Titanic quando ele voltar a funcionar!

Clique na imagem para ampliar!

E eis que me aparece o filho do Seo Waltair.

– E aí?

– E aí, rapaz? Zuzo bem?

– Tudo, tudo… E o meu pai? Já te contou?

– Contou o quê?

Nisso vem o Seo Waltair todo sorridente…

– Tá pronto, ué!

– CUMÉQUIÉ????

– Tá pronto, pronto e funcionando!

– Mas, mas… Ainda não faltava o chicote? E aquelas peças que o senhor tinha me falado?

– As peças já arranjei tudo. E eu não gostei da qualidade do chicote que o rapaz tinha pra vender, então é melhor pegar esse mesmo, que é original, e ver com um eletricista pra reconstruir ele. Garanto que vai ficar muito melhor.

– E ele tá funcionando?

– Tá sim! Puxei um fio direto da bateria pra poder ligar. Só não tá carregando a bateria, mas como ela é nova, por enquanto não vai ter problema.

Disse isso, entrou no carro e deu a partida.

Pegou na primeira.

Confiram o ronco da criança:

Eu estava encantado! Sem palavras! Depois de tanto tempo a fera voltou a rugir… O Titanic estava vivo novamente!

– E aí? Faltava tão pouco pra completar que eu falei pro meu pai que ele tinha que deixar seu carro funcionando logo! Gostou do Presente de Natal?

– Cara, você não tem ideia de como! Foi a melhor e a pior notícia que eu poderia receber nesse momento!

Eles não entenderam nada, então expliquei minha situação: que eu estava saindo da Prefeitura. Ou seja, a melhor notícia foi a de ver meu bom e velho Opalão voltando a funcionar; a pior foi que, então, havia chegado a hora da “dolorosa”. Havia uma conta a acertar – e não seria pouco, não!

Enfim, combinamos que na primeira semana de janeiro eu acertaria a conta – que é quando eu receberia meu saldo de salário, férias vencidas e outras verbas do tipo (comissionado não tem FGTS, multa na rescisão, nada disso). E quanto ao Titanic eu precisaria deixá-lo por ali por mais um tempinho, provavelmente até março, que é para quando projetei já estar ganhando algum cascalho no mercado novamente.

E assim, caríssimos, esta etapa está praticamente concluída. Agora é questão de fazer a parte elétrica – e quanto a isso já tenho algumas ideias coçando aqui na cachola…

Um Feliz Natal para todos vocês, para suas famílias, e que possam sentir a mesma felicidade que senti hoje pela manhã.

Garanto esta é a melhor coisa que eu poderia desejar para alguém!

Motorizando – parte XI (Madame Zafira)

Pois é… Crise é crise…

Lembram de quando compramos a Spin? Ficamos muito felizes na épocca, pois esse era o nosso primeiro carro zero! Desde então o que estava fácil de pagar foi ficando cada vez mais difícil. Não porque o valor da parcela tenha aumentado, mas simplesmente porque as outras contas, dívidas e débitos foram comendo nossa renda pelas beiradas até a coisa ficar insuportável…

Enfim, o negócio de sempre é trabalhar com “contenção de danos”. E, no caso, ainda mais pela situação que se avizinha, manter a Spin não seria uma decisão lógica. Mas, ainda assim, permanecia a nossa necessidade de um “carro grande” – no sentido de ter pelo menos 6 lugares: eu, a Dona Patroa, os três filhotes e meu sogro-mais-surdo-que-uma-porta-de-carvalho-dupla.

Fuça daqui, experimenta dali, acabamos achando um bom negócio: um Zafira 2008!

Clique na imagem para ampliar!

Clique na imagem para ampliar!

Confesso que no começo estranhei um pouco, pois achei ela mais barulhenta que a Spin. Mas até aí, nada demais, afinal era um carro 5 anos mais velho que o anterior – que já era 2013. Só que reparando melhor nos detalhes, vou ser muito sincero: gostei! O motor é mais forte, o carro é mais robusto, tem mais espaço para os passageiros, os bancos do fundo são individuais e o ar condicionado possui um duto para a parte traseira do veículo. Parecem detalhes irrelevantes, mas para quem sai com toda essa patota, faz toda a diferença!

Agora é só cuidar de manter as parcelinhas em dia…