Furtado!

É.

Isso mesmo, furtado.

Não, não “assaltado” ou “roubado” – furtado (preciosismo de advogado).

Mas não levaram o Titanic II, não.

Explico.

Estávamos, ainda hoje, eu, Dona Patroa e a Tropinha de Elite (meus três filhos) na casa do amigo e copoanheiro Paulo, nesse belo, carnavalesco e abafado dia de chuva. Enquanto a criançada detonava algum jogo no Playstation, estávamos todos, ambos os casais, sentados na varanda, tomando uma boa Sagatiba e os cigarros já estavam acabando. Lembrei-me que tinha outro maço sob o banco no carro – que estava estacionado em frente à casa do vizinho – e fui buscar.

Primeira emoção: o pino da porta do motorista estava destravado. “Estranho, tenho certeza absoluta que tranquei”, foi o que pensei quando só então percebi o vidro abaixado pela metade.

Já entrando em “modo defensivo”, a primeira atitude foi parar e dar uma checada nos arredores, ver se tinha alguém entocado por ali ou coisa que o valha. Tudo tranquilo. Respirei fundo. “Vamos ver o tamanho do estrago”, a conclusão que cheguei em seguida.

Pelo que pude perceber, nada foi quebrado ou estourado: o vidro – que já é velho e não está lá muito bem ajustado – deve ter sido forçado por fora, pouco a pouco, até que desse para destrancar a porta. Como o carro está “seco”, ou seja, sem absolutamente nada, não tiveram muita opção. Sem rádio, sistema de som ou outras tecnologices, limitaram-se a fuçar sob os tapetes – que estavam todos fora do lugar -, e acabaram levando o extintor e uma garrafinha d’água (“glut-glut”) de meus filhos. Ah, sim, e levaram meu ÚLTIMO maço de cigarros. Fiadasputa…

Abri o capô e dei uma checada no motor. Tudo OK. Ali, pelo menos, não mexeram.

Liguei o carro, manobrei e deixei embicado, bem em frente à garagem da casa de meus amigos. Ante a cara de interrogação de todos, quando voltei, expliquei-lhes o acontecido. A esposa dele ficou extremamente abalada, preocupada com essa quase invasão de privacidade a que fomos acometidos. Tranquilizei-a e disse que estava tudo bem, ainda que tivessem levado o carro inteiro, pelo menos ninguém mexeu conosco. Ou seja, “vão-se os anéis e fiquem os dedos”…

“Mas e se tivessem levado o carro inteiro?”, foi a pergunta do Paulo. Respondi-lhe que achava muito difícil, por dois motivos: o primeiro é o fato de existir no carro aquele bendito parafuso “corta-corrente” (será que isso era um item padrão à época?), e como não me contento em simplesmente desrosqueá-lo, faço questão de retirá-lo inteiro – já coloquei até uma argolinha para prendê-lo no chaveiro; já o segundo motivo diz respeito a uma trava de ferro que sempre prendo no pedal de freio e volante, pois é fato comprovado que se alguém deseja “puxar” um carro vai escolher aquele que estiver mais fácil.

Esse segundo ponto vai ao encontro de uma reportagem que li há alguns anos, onde o entrevistado era um famoso (no meio dele) puxador de carros. Já àquela época ele deixou bem claro que alarmes, travas elétricas, eletrônicas e outras firulas do mesmo tipo são facilmente contornáveis pelo “especialista”. Normalmente aquele negócio dispara e os proprietários muitas vezes sequer vão checar se é de seu carro ou de outra pessoa qualquer – o que dá tempo de sobra para o desarme. Entretanto, continuando a entrevista, explicou que travas mecânicas, ou seja, barras de ferro, correntes, etc, ainda mais quando bem visíveis, meio que desanimam o puxador, pois ele já tem uma previsão de que aquilo talvez dê mais trabalho e sempre vai ter outro otário desprevenido outra inocente vítima por perto.

É lógico que isso não é regra. Se o caboclo tem o “dom” e está a fim de levar o seu carro, não tenha dúvidas: ele vai levar.

Enfim, graças a Deus o estrago não foi grande, garrafinhas d’água temos aos montes em casa e, no tocante ao extintor, bem, provavelmente será mais um ato de antropofagia perante o 79, já que o Titanic II está entrando em fase de venda.

O único prejuízo mesmo foi meu maço de cigarros.

E eu lá, aproveitando uma saborosíssima cachaça e morrendo de vontade de fumar.

Fiadasputa…

Solda Complementar: como teve gente que não conhecia o tal do parafuso (que eu achava até ser uma espécie de “equipamento padrão”), eis uma foto do danado. Normalmente fica por ali, sob o porta-luvas, em direção à bateria. Desrosqueando-o um pouco ele já corta a corrente; tirando-o por completo, inviabiliza ligar o carro – por isso é que furei-o na lateral e coloquei um argolinha ali, justamente para faciiltar carregá-lo depois que o tirava…

6 pensamentos em “Furtado!”

  1. xiii
    isso acontece!
    e me conta que parafuso é esse? não tenho conhecimento dele.
    no meu opalão também tenho diversos perenges antifurto, o meu também já foi alvo de ladroes, mas é inevitavel, quem ta na chuva é pra se molhar
    ha, lembra q te falei da reforma no interior do meu bom e velho comodoro, tá quase pronto, tá ficando um tesão, logo te mando fotos
    abração pa ti e pro teus filhotes
    té mais

  2. Esquenta a cabeça não, como você disse, pelo menos não mexeram com vocês. Mas que é revoltante, isso é!!

    O William levantou uma questão: que raio de parafuso é esse? Também não conheço não. Mostra aí pra gente.

    Abs!

  3. O parafuso é justamente um parafuso. Hehehe, sem maldade mesmo. É só isso… um parafuso que, quando “totalmente rosqueado”, fecha o circuito da parte elétrica, permitindo a partida… sem ele, o cara pode bater a partida o quanto quiser, que o carro simplesmente não pega – tal qual uma bateria arriada.

    O problema é que, tal qual uma bateria arriada, o carro aidna pega no tranco – pelo menos no meu sim, já que o cortacorrente está entre a ignição e a bateria.. não sei se dá pra posiciontar em outro lugar, tipo entre a bateria e a bobina…

    Enfim, meu pai usava no antigo Comodoro dele uma trava igual a essa descrita pelo Adauto. Eu, como nunca mais encontrei algo parecido, procuro sempre estacionar com o volante esterçado totalmente pro lado do meio fio, inclusive beeeeem pertinho de encostar o pneu… travo o volante, e tiro o parafuso… pro fiaduma furtar o carro vai ter que destravar o volante e tirar o carro da vaga empurrando… pra daí dar um tranco e “consumar” o furto.

    Mas a verdade é a que o Seo Adauto falou: se o cara QUER levar o SEU carro, ele vai levar.. infelizmente, é a realidade… por isso, dificultar ao máximo para desestimular…

    Ps.: Esses tempos atrás estive conversando com um amigo que é agente penitenciário, e ele me falou que instalou a tal trava carneiro no carro dele. Segundo esse meu amigo, é consenso entre os “puxadores” de carro que esta é a trava mais difícil de remover, então eles simplesmente abandonam e vão pra outro.. Depois disso, fui pesquisar e descobri que a tal trava carneiro faz exatamente o que a corrente com o gancho pro pedal fazia. Trava o freio do carro. E mais, teria a opção de travar o freio E cortar a corrente da ignição. E mais (parece propaganta do shoptime), ainda haveria uma opção de trava carneiro que, além das habilidades já descritas, contaria ainda com chave codificada eletronicamente… ou seja, virtualmente à prova de roubos.. tudo isso por R$350… sinceramente? Pra quem está investindo uma quantia considerável de tempo e dinheiro em um carro que é MUITO visado – sim, o Opala é visadíssimo… peças originais são raras e caras… e muitas vão justamente para carros de pista, que por não circularem nas ruas, são menos “passíveis” de serem fiscalizados -, acho que é um valor interessantes.

    Ainda não instalei, mas é um dos “upgrades” previstos.

  4. William, aguardo fotos. Além disso – e também já respondendo o Kauê – fiz um complemento lá no post, com a foto do parafuso que, com a explicação do J, acho que já esclarece por completo o assunto.

    J, nunca fiz o “teste da bateria arriada” para saber se o carro funcionaria – aliás, nem sei em que posição do sistema elétrico estaria situado esse parafuso…

    Com relação a essa trava carneiro – não sabia que era esse o nome – creio que deve ser a mesma que tem instalado no Corsinha da Dona Patroa. Já veio com o carro quando compramos. E mais (dá-lhe, shoptime!), deve ser a tal da versão full, pois tem essa “chave codificada” (esquisita pra caramba) e lembro-me de certa vez estar numa ladeira e soltei o freio de mão para manobrar o carro antes de ligá-lo e ele estava travado. Foi quando entendi que era por causa da trava. Parece que a danada funciona mesmo!

  5. O meu não tem isso ai, o meu tem a bateria na frente, e nunca vi esse tal de parafuso em nenhum otro opala, deve ter cido colocado ai, mas é uma boa idéia, quanto mais segredinhos no carro fica mais dificil de roubarem, até mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *