Temas do Wordpress
   Início   

2010

Arquivo Anual

Sexta-fotos

29 out 2010 | Guardado em: Fotos de Sexta |

Não vou cansá-los com novas desculpas.

Simplesmente garanto que dentro em breve estarei de volta.

Mais exatamente depois do dia 31 de outubro – quando acabam meus esforços quadriplicados do dia-a-dia e volto apenas à normalidade, ou seja, apenas triplicados!

E para que o mês de outubro não passe em branco – até porque o último post foi um acidente de percurso (vide aqui) – eis a foto de um belíssimo 73, que pertence ao Mateus. E mesmo ainda assim ele ainda vai desmontá-lo inteiro para deixá-lo zerado!

Sistema de arrefecimento do Opala

28 out 2010 | Guardado em: Dicas |

Então. Como ando meio puto (pra não dizer MUITO puto) com esse negócio do radiador que não se acerta, independentemente da questão mecanística (relativa ao mecânico – inventei agora!), resolvi dar uma estudada no assunto.

Segundo o Manual do Chevrolet Opala, de Jarbas Portella (disponível aí do lado), “Da energia potencial da gasolina liberada na combustão, apenas 30% são aproveitados pelo motor em condições ideais. Cerca de 45% são expelidos sob a forma de calor pelos gases da combustão e por irradiação das partes aquecidas do motor, 5% em perdas por atrito e 20% do calor são dissipados pelo sistema de arrefecimento, cuja função é manter o motor dentro dos limites ideais de funcionamento.”

Bom, até aí tudo bem.

Run, Forrest, run!!!

15 set 2010 | Guardado em: No mundo lá fora |

Caríssimos…

Sem palavras…

Desopalado

11 set 2010 | Guardado em: Poseidon / Cruzador Imperial |

Pois é, gente, eis que estou – ainda que temporariamente – desopalado novamente…

Hmmm…

Tem alguém aí?

E aí no fundo, no escuro?

Ninguém?

Bem, zuzo bem. Meu compromisso de manter esse cantinho virtual é mais para comigo mesmo do que para com qualquer outro!

Enfim, depois de tudo pelo que eu já havia passado com essa história de radiador (as últimas, com o Titanic II, estão contadas aqui e aqui), eis que, com o Poseidon, começou tudo de novo…

Lembram daquela viagem para Itu? Então. O que eu não contei quando daquela narrativa é que, além do combustível, outra coisa me preocupava.

A temperatura.

O carro estava aquecendo demais, o que não era normal. O ponteirinho da temperatura invariavelmente ultrapassava a metade e beirava o limite! Quando chegava nessa situação eu simplesmente enfiava um ponto morto no carro e aproveitava alguma descida para meter na banguela (ei, que vergonha é essa? nunca ouviu essa expressão, não?). Somente assim, com o motor em sua rotação mínima e com bastante vento no radiador é que a temperatura dava uma quebrada…

Por mais de uma vez tive que completar a água e, ainda assim, a temperatura continuava subindo bem mais do que o normal.

Levei a viatura lá no especialista em radiadores, que encontrou alguns vazamentos, soldou, limpou e deixou tudo como novo.

Mas a água ainda estava baixando.

Voltei e trocamos as braçadeiras.

Ainda estava baixando.

Trocamos a tampa.

Baixando.

Já no limite da comprovação de que a esperança usualmente sobrepuja a racionalidade ainda fui pra Arujá, apenas a 60km de casa, num festival de flores pra levar a Dona Patroa, meu sogro e a criançada (outro dia conto melhor essa história).

O motor funcionou bem como nunca. O radiador ferveu como sempre.

Bem, diante de tudo isso, levei a um outro especialista em Opalas, lá em Jacareí, para que ele fizesse um diagnóstico completo em todo o sistema de arrefecimento do veículo (o caboclo é bão). Dois dias de testes (e lá se foi um final de semana), três dias de desmontagem (e lá se foi a semana com o feriado) e agora mais uns dois dias pra remontar (e lá se vai o outro final de semana). Mas, em tese, na terça deverá ficar pronto!

O negócio é aguardar…

E contar com a paciência da Dona Patroa em me levar e buscar no trabalho todos os dias…

Atualização de arquivos: Setembro de 2008 acabou, depois de longa e tenebrosa inércia. Agora é outubro.

Frase de segunda

06 set 2010 | Guardado em: Fraseologia |

Esotérica, essa…

Deus escreve certo por linhas tortas. Opala anda de lado em ruas retas!

Frase de segunda

23 ago 2010 | Guardado em: Fraseologia |

Simples e objetiva. Verdade verdadeira.

Muitos nos vêem, poucos nos acompanham.

Off-road

22 ago 2010 | Guardado em: Bizarrices |

Não sei definir se é uma tentativa de caminhonete, de trator, de jipe, ou sei lá o quê.

Só consegui entender é que a tentativa foi de deixá-lo “off-road”.

E deu no que deu.

Como disse o amigo virtual Eduardo há alguns posts atrás, se encontrar com esse carro na encruzilhada, chuta que é macumba!

Sexta-fotos

21 ago 2010 | Guardado em: Fotos de Sexta |

É até uma judiação.

Mas tem que ser mostrado…

Na prática comecei a me apaixonar pelos Opalas tão lentamente quanto recentemente. Mas, mais do que isso, também acabei me apaixonando pela “filosofia” e pela linha que o Opala veio a introduzir no Brasil.

E nesse sentido o norte-americano (nem me venham com esse tal de “estadunidense”…) Impala tem um atrativo todo especial!

Ok. Confesso que a série Supernatural ajudou – e muito – nessa “convicção”.

Mas vejam um modelo que – senão abandonado, ao menos largado – encontra-se no Planalto Paulista, São Paulo (conforme dito aqui).

Pra se ter uma idéia de como esse carro chamou a atenção, eis também um vídeo feito por algum transeunte que passou pelo local…

(Quase) fim da mecânica leve

09 jul 2010 | Guardado em: O Projeto |

Pois é.

Estou de férias e, por isso mesmo, tenho condições de continuar estes apontamentos.

No que resta da “parte leve” comecemos com a porta. É a que resta ainda sem desmontar (até hoje não consigo lembrar-me do porquê ela ficou para depois) e que tem mais detalhezinhos a serem retirados. Confiram por si mesmos.

Antes de mais nada, aproveito para tirar os restos mortais das presilhas de plástico da forração da porta que jazem por ali. É LÓGICO que nenhuma saiu, todos arrebentaram e tive ainda que afundar os resquícios das que sobraram – que acabaram caindo no fundo da porta. No futuro preciso lembrar-me de limpar absolutamente TUDO que jaz por ali também…

Mas voltemos à parte parafusística da coisa. Com uma caixa do lado para guardar tudo, damos então início a essa etapa desmontando a máquina de abaixar o vidro. Tratam-se de três grandes parafusos phillips.

O primeiro saiu.

O segundo também.

O terceiro… travou!

Na força só não vai – a chame começou a girar em falso, começando inclusive a destruir a fenda phillipesca do parafuso.

Primeiro velho truque de gambiarreiros: com o martelo dê pancadinhas na chave ao mesmo tempo em que tenta firmemente girar o parafuso.

Não funcionou.

Segundo velho truque de gambiarreiros: com um punção faça uma marca na lateral da cabeça do parafuso recalcitrante (apenas para dar apoio). Depois, bata nesta marca (com o punção, pô!) on sentido de desatarraxar o infeliz.

Soltou!

Eis, a seguir, o parafuso marcado para sair (o “ponto” está na parte superior dele) e as delicadas ferramentas cirúrgicas utilizadas nessa intervenção…

Ainda que com os parafusos soltos, deixemos a máquina de lado por enquanto para acabar de soltar o quebra-vento.

Com o jogo de chaves do tipo “cachimbo” (aquele que funciona com uma catraca) pegue a conexão de 10mm (ou, como diria meu pai, o “pito” de dez) e solte os parafusos que seguram o quebra-vento. São apenas quatro, acessíveis pelos buracos da porta. E estes são buracos originais, ok?

Ah, sim.

NÃO DEIXE A PORRA DA CONEXÃO DA CHAVE CAIR DENTRO DA PORTA!

Porque a minha caiu.

Merda.

Pusta trabalheira para pegá-la…

Bem, depois de solto é só puxar por cima que o conjunto inteiro sai.

Voltemos à máquina do vidro (pois foi preciso retirar o quebra-ventos antes, uma vez que o vidro estava emperrado, fora do trilho e não subia). Levante o vidro até ter acesso aos dois parafusos 8mm que prendem um das pontos do cabo da máquina.

Cuidado, pois, depois de soltos os parafusos, a chapinha cai!

Solte agora os dois parafusos 10mm que prendem a parte posterior do vidro. Sim, também caem. Não esqueça de juntar as buchinhas de plástico desses parafusos que protegem o vidro do metal.

Uma vez soltos e antes de efetivamente (tentar) tirar o vidro, sabem aquela calha de alumínio com borracha que evita que a água entre pela porta? Na parte de cima, bem junto ao vidro? É só encaixada. Tire-a. Use uma chave de fenda para fazer uma leve alavanca (LEVE, eu disse, seu ogro!). Não se esqueça de guardar as presilhas de encaixe que ficam entre a parte interna da calha e a lata da porta – são quatro ao todo (o lado mais comprido delas é na parte de dentro).

Feito isso é só puxar o vidro que ele facilmente sai por cima.

Aproveite e pesque o fio da máquina, pois após tudo isso ela está totalmente solta lá dentro.

Tiremos a canaleta traseira da porta (próxima à fechadura). Apenas dois parafusos 10mm pela parte interna da porta.

Hora de soltar os perrengues presos na lateral da porta.

Já de início os parafusos phillips da fechadura TAMBÉM estão travados…

Veja a técnica gambiarrística nº 2 supra.

Após isso, ainda resta um outro phillips por dentro.

Aliás, não se esqueça de ANTES tirar a maçaneta interna e o arame que a liga na fechadura – também são dois phillips.

Com a fechadura solta, desencaixe o arame que a prende ao pino de travar a porta.

Bão, agora é que a porca torce o rabo!

A porca (literalmente) que resta a ser tirada tá pra lá de enferrujada!

WD-40 nela e voltamos aqui depois.

Antes que eu me esqueça, é melhor retirar as chapinhas de metal nas quais são presos os parafusos da maçaneta interna. Olhando para a outra porta vejo que já esqueci as de lá. São só encaixadas e uma pequena alavanca com a chave de fenda faz com que se soltem.

Restou, ainda, uma pequena peça presa por um parafuso 10mm – mais para o lado dianteiro – cujo formato assemelha-se a uma pequena “plataforma” interna. Não entendi sua utilidade ou funcionamento (ainda) – mas ficará bem guardadinha até que eu descubra…

Tento tirar a maioria das borrachinas na integridade, mas não rolou. Paciência.

A maçaneta externa já contei aqui como retirar, então não vou me repetir.

A outra parte da fechadura, que fica no corpo do carro, também já foi tratada no mesmo link ali de cima, bastando apenas esclarecer que será necessária uma chave Allen.

Quase ia me esquecendo da roldana por onde passa o fio da máquina lá embaixo! Também dois parafusos de 10mm.

Curioso é que, contraposto a essa roldana, existe uma outra na parte de cima, sendo que não tenho nem a mais afastada idéia de como tirá-la (ou se seria necessário tirá-la). Por enquanto vai é ficar ali mesmo…

Também os encaixes do puxador da porta (que vai no forro) ainda estavam ali na lata. Não seja bruto! São de plástico! Coloque gentilmente a mão por dentro da porta e empurre-os, tirando com carinho. Simples assim.

Dou uma última avaliada geral na porta.

Merda.

Não sobrou mais nada.

Voltemos à mardita porca emperrada e devidamente dáblio-dê-quarenteizada.

Tensão…

Suspense…

UAI!?!?

E não é que a demônia saiu de primeira, sem trabalho algum?

UFA!

Então temos a seguir o saldo dessa cirurgia…

A porta externamente “limpa”…

…bem como internamente também!

Concluída a “operação porta”, concentrei-me nos diversos perrenguinhos e pecinhas ainda presos à lataria, principalmente no cofre do motor.

Limpador de pára-brisa (sei que não deveria acentuar, mas sou das antigas, tá?): parafusos de 8mm e o braço, embaixo, preso com aquelas travinhas (no estilo “anel de pressão”) – precisaremos de um alicate de bico fino.

Tirei, também, os pequenos suportes de plástico para parafusos, encaixados logo atrás da borracha colada onde fecha o capô. Aliás, tirei a própria borracha. Aliás do aliás, descobri que um desses pequenos suportes foi feito à base de fibra de vidro, muito provavelmente pelo Seo Bento, vulgo meu pai, enquanto o carro esteve ancorado por lá. Bom saber. Quando e se eu precisar de mais – e caso não ache no mercado nem novo nem usado – já sei pra onde correr!

Soltei todo o encanamento do “brucutu” (presilhas com parafusos phillips) e suas respectivas borrachas – todas ressecadas.

O cabo para a abertura do capô é curioso: primeiro tem que soltar a ponta dele, no sistema que trava a tampa (phillips), depois, lá dentro, é necessário soltar uma porca que está atrás do suporte do puxador, cujo próprio cabo passa pelo meio dela. Com ela solta, basta puxar o cabo com capa e tudo até sair, passando todo ele pelo buraco do suporte – inclusive pelo da própria porca.

E o dito sistema de trava do capô? Quatroparafusos, todos de 10mm. Já sua contraparte, presa na ponta do capô (aquela que contém a mola que o Seo Bento fabricou LINK), é fixada nas pontas por dois parafusos de 13mm. mas, para tirar tudo mesmo, após soltar esses parafusos, é indispensável soltar também o parafuso phillips que prende a mola na lata (que passa bem pelo meio da mola).

Dando uma checada por alto, dá pra acreditar que o suporte do extintor ainda estava lá? Pra quê, eu não sei… Dois phillips.

E, ainda, uma pequena alça bem na ponta do túnel do câmbio, embaixo do painel. Creio que para fixar o console. Dois parafusos de 10mm.

Por derradeiro, três pequenas travas plásticas para prender algum parafuso por dentro da lataria (na cabine). Formam um triãngulo, bem do lado dos buracos que dão passagem à direção e o outro dos pedais.

Então, ficamos com o seguinte:

O cofre quase que totalmente desocupado.

A “cabine” praticamente livre

Sim, a corda é para segurar as portas! 🙂

E uma panorâmica do nosso brinquedo quase que todo desmontado.

Nesse meio temo eu tenho que aguentar uma briga de gatos (literalmente), eis que o Nimbus, esse cinzento de poucos meses, resolveu atentar a Lua, essa preta de mais de 14 anos. Tal e qual Nermal e Garfield…

Após tudo isso faltam basicamente três coisas para concluir o desmonte: a alavanca do freio de mão, o encanamento de freio e as mangueiras do sistema de combustível.

Mas neste final de semana eu não continuo com mais nada.

Amanhã serei padrinho de casamento de um dos meus melhores amigos e não perderia isso por nada deste mundo!

Fim da mecânica pesada

08 jul 2010 | Guardado em: O Projeto |

Bom, para hoje o negócio é acabar de desmontar o diferencial, atualmente preso somente por dois braços – cada um deles chamado de “braço de controle superior”. Os pintadinhos de amarelo aí embaixo.

Soltá-los na parte de cima implicaria em eu ficar totalmente sob o carro – o que, na atual conjuntura, meu coeficiente de cagaço não permite…

Então soltar-los-ei na base. Cheguei ali no lado esquerdo e constatei: parafuso com cabeça de 15mm e porca também 15mm. Fácil. O lado direito já foi um pouco mais enroscado, mas nada que uma bela duma martelada na chave não resolvesse (com o cabo do martelo, é lógico).

Para tirar os parafusos, mais uma vez com o macaco jacaré, levantei todo o conjunto do diferencial – para que não despencasse tudo ou, pior, acabasse entortando um dos parafusos (caso eu tirasse um de modo que todo o peso ficaria concentrado no outro). O do lado esquerdo saiu na mão. O do direito, no alicate. Mas, ainda assim, tudo relativamente fácil.

O conjunto todo cedeu um tantico ao abaixar o macaco. Como não sou besta já havia deixado dois aros do meu antigo Fusca ali embaixo para sustentar a criança. Coloquei os parafusos individualmente de volta nos braços para não perdê-los.

As molas, conforme eu supunha, eram somente encaixadas. Tirei-as com as mãos e deixei-as de lado. Será que tem diferença da direita para a esquerda? Mais tarde penso nisso…

Só agora percebi que ainda não desmontei o sistema do freio traseiro… Mãos à obra!

Comecei com o freio de mão (já não sei mais se isso tem hífen…). O cabo de aço que prende as duas rodas à alavanca do assoalho funciona do mesmo jeitinho que um determinado tipo de um antigo freio de bicicleta (para quem não sabe uma das minhas primeiras profissões foi numa bicicletaria – já contei essa história aqui). Chave 13mm. Detalhe: não esquecer de soltar a mola que é presa no furo do parafuso. Após solto, usei a própria porca para deixá-la (a mola) presa no parafuso para que não se perca. Abaixo, o cabo antes de ser solto.

É aquela velha história: “quando a cabeça não pensa, o corpo padece”. Ainda que solto, o cabo de aço do freio de mão – que é inteiriço – passa SOBRE o escapamento, de modo que este teria que sair. Perguntem se eu o tirei? Nãããão! Ainda bem que atualmente ele está somente encaixado. Bicho grande esse! O comprimento dele dá praticamente o mesmo que o do Corsa, o carro da Dona Patroa!

Ainda falta o sistema de freio “normal”. Seu encaixe é exatamente do mesmo tipo que o das rodas dianteiras, mas com a diferença que há somente uma conexão alimentando ambas as rodas traseiras. No mesmo esquema de antes, uma vez solto o caninho bastou tirar a trava.

Agora, para tirar todo o conjunto de sob o carro é melhor eu soltar aquela barra estabilizadora que ficou dependurada. Chave 19mm. Eu tenho uma dessas? Nãããão! Mas o bom e velho espírito gambiarrístico persiste neste que vos tecla. Fui buscar as opções dentro do que tinha à mão e encontrei uma antiga chave de vela para motos na exata medida. E melhor: com uma haste de metal bem reforçada (coisas que os conjuntinhos de ferramentas de hoje em dia já não comportam). Bastou posicionar no ângulo correto, aplicar uma forcinha moderada e pronto! Quem mesmo disse “dêem-me uma alavanca e um ponto de apoio e eu movimento o mundo”? Creio que foi Arquimedes…

Sem a barra estabilizadora o espaço ficou liberado para puxar todo o conjunto de diferencial, agora já solto, para trás do carro. Aliás, resolvi colocar tudo num cantinho da garagem para não atrapalhar ninguém (até parece!) e deixei no mesmo local o diferencial, a barra estabilizadora e as molas.

Pensando melhor, seria bom também colocar toda a suspensão dianteira, já arriada lá na frente do carro, no mesmo cantinho. Na falta de alguém que pudesse me ajudar a levantar esse trambolho, chamei o ajudante de todas as horas, o filhote nº 1, já com 11 anos. Ainda assim seria pesado para ele. Como fazer? Peguei o jacarezinho (o macaco, lembram?) – que tem rodinhas – e coloquei uma das pontas nele. Enquanto o filhote puxava (ou melhor, guiava) um dos lados, ficou mais fácil de eu levantar o outro e empurrar até que tudo ficasse no devido lugar – praticamente sem ocupar espaço nenhum na garagem!

Nota: eu preciso me convencer disso para que possa tentar convencer a Dona Patroa…

Dentro da minha cabeça eu já tinha decidido deixar os amortecedores para beeeeeeem depois, haja vista que na minha primeira tentativa de soltar a porca de cima – à qual se tem acesso através do porta-malas do carro – percebi que todo o conjunto girava também. Ou seja, sem ter um apoio para segurar a parte de baixo, esta giraria junto com a porca de modo que eu jamais a soltaria. Confesso que cheguei até mesmo a cogitar um alicate de pressão – que não tenho (ainda) – mas não me era admissível uma solução tão bruta e burra para isso. Mas, de repente, quando nem mais estava pensando nissso, me deu um estalo: o parafuso era fendido! E se, pelo mesmo lado, eu fixasse a chave de fenda na parte fendida do parafuso e com uma chave de boca soltasse a porca? Batata! Saiu facilmente! Com a porca liberada, o amortecedor simplesmente caiu no chão, lá na parte de baixo.

Bem, ainda faltava tirar aqueles braços traseiros que ficaram fixados na lataria (os pintados de amarelo lá da primeira figura, certo?). Chave 15mm, pouca força inicial e o resto com a mão. Fácil, fácil.

Com isso a parte traseira agora está ok!

Heh… Quem já teve daqueles carrinhos de plástico dos mais vagabundos quando era pequeno? Daqueles que, além do corpo do veículo, tinha apenas as rodas presas num ferrinho que eram encaixadas no carrinho? Invariavelmente a gente perdia as rodinhas, ou elas não encaixavam mais, e ficávamos arrastando o carrinho no chão sem rodas mesmo em nossas brincadeiras. Pois é. Definitivamente, quando nós, homens, crescemos a única diferença com relação à nossa infância é que os brinquedos ficam mais caros…

Vejam só:

Eis uma questão interessante: desmontar o restante do sistema de freio (a parte do burrinho, lá sob o capô). Primeiramente soltamos os dois caninhos finos que ainda ficaram no equipamento. Após, apenas dois parafusos o prendem na lataria. 15mm. Mas acontece que o mardito está preso no pedal de freio, lá do outro lado. Depois de apanhar um pouco acabei entendendo que o conjunto sai inteiro, tendo, na verdade, que soltar o próprio parafuso que prende o pistãozinho no pedal de freio. E esse parafuso é preso com uma simples travinha. Agora sim, desmontando esse pedaço, saiu o restante. Eis, abaixo, o parafuso do pedal com sua trava e, em seguida, todo o coração do sistema de freios.

Já que estou com a mão na massa, no pique e minha coluna ainda não travou, resolvi aproveitar o embalo.

Tirei a bateria (o que ela ainda estava fazendo ali?), soltei os dois parafusos que prendem a direção lá embaixo, na caixa de direção (em amarelo, na figura a seguir), também soltei as hastes que prendem a coluna de direção na lataria, bem como a lata que separa o lado do assoalho do lado do motor (apenas três parafusos phillips de rosca soberba). Saiu tudo.

Depois disso ficou ainda faltando a caixa de direção em si (aquele “aparelhinho” no qual a a coluna de direção é presa – lembram do desenho em amarelo ali de cima?). Três parafusos passantes na lataria, dois de 17mm e um de 16mm.

Bicho carpinteiro me pegou. Ainda era dia e resolvi que ia puxar todo o chicote e, também, desmontar os pedais. Comecemos pelo último. É tudo um conjunto só, tanto o do freio quanto o da embreagem. Com a chave de 15mm fui soltando cada um dos sete parafusos que prendem essa caixinha até tê-la totalmente para fora.

Com isso praticamente tirei todo o restante da parte mecânica “pesada” que ainda estava preso à lataria.

Prossegui, então, com o chicote. Lá no início dessa missão eu tinha começado a marcar cada um dos fios com fita crepe e anotações do quê era ligado onde. Já há tempos cheguei à conclusão de que isso não iria adiantar nada – até pela quantidade de gambiarras, jumps e emendas que fui encontrando pelo sistema elétrico – de modo que “perdi o cuidado” no tocante a esse ponto. Desconectei as várias peças que ainda restavam penduradas no chicote por sob o capô, com muito jeitinho tirei a borracha de vedação que protege a passagem do sistema do chicote para dentro do veículo, com um tanto de força bruta puxei a ponta dele que ia lá para trás, no porta-malas, desliguei mais um tanto, puxei outro tanto e, sem arrebentar absolutamente nenhum fio (que já não estivesse arrebentado antes) tirei o danado.

Se pensarmos um pouquinho dá até para dizer que o chicote é basicamente o sistema nervoso do veículo… Tá, tá, posso estar forçando um pouco – mas sou um romântico, que fazer? Não possso deixar de comparar toda essa fiação do carro com a nossa “fiação humana”, posto que responsável pelos impulsos eletromecânicos que permitem colocar o automóvel em funcionamento. Nesse sentido, me sentindo meio que o Predador ao arrancar a coluna vertebral de suas vítimas, tenho a sensação de que agora meu bom e velho Opala 79 definitivamente entrou em coma profundo…

Resta apenas seu interior vazio…

Sua casca sem alma

Sequer rodas para andar…

Mas, como costumam dizer por aí, “pra ficar bom primeiro tem que ficar ruim”

E, pelo estado das coisas, este carro vai ficar ótimo!

Restam apenas algumas miudezas, fios, parafusos e penduricalhos para serem retirados e então ele finalmente estará pronto para um novo estágio.

O início da pintura.

Sexta-fotos

02 jul 2010 | Guardado em: Fotos de Sexta |

Já tem uns vinte dias, ao prosear com o povo lá d’A Turma sobre o passeio que fiz com minha família e o Poseidon, que acabaram me pedindo para mandar as fotos da “Velha Senhora” – a Variant 74 Marrom Caravela que meu pai tem.

Pois bem.

Esse veículo meu pai comprou lá pelos idos de 76 ou 77, com parte da indenização que recebeu quando fechou a Mecânica Rennó, empresa na qual ele trabalhava. E, de lá pra cá, só manteve. Já perdi a conta de quantas vezes ajudei-o a tirar o motor para arrumar algum perrengue…

A foto mais antiga que encontrei dela é essa aí embaixo, onde eu estou com uma onça empalhada, lá em Santa Rita do Jacutinga, MG, no final da década de 70.

A segunda, no alto de um morro em Campos do Jordão, SP, já é do início da década de 80. Eu sou o menorzinho ali, junto com minha mãe e irmãos.

E essa terceira, com a Brisa (cachorrinha que por quase vinte anos ficou com a família), é de meados da década de 90.

E todas as demais foram tiradas no último domingo, pela manhã…

Curiosidade inútil: dia desses, quando meu pai estava saindo de casa, meu filhote mais velho – o de onze – virou pra mim e falou que “a placa do carro do vô é daqueles dois que vivem brigando”. Na hora não entendi, mas depois, vendo a placa no carro já se distanciando, caiu a ficha: 4513. 45 e 13. PSDB e PT…

Finalizando o desmonte do agregado

29 jun 2010 | Guardado em: O Projeto |

Bem, mantendo a tradição de pelo menos a cada seis meses fazer algo (entenda-se: alfinetada em mim mesmo), eis aqui o complemento daquela desmontagem do agregado.

Ok. Uma vez decidido isso, dia de trabalhar.

Requisitos básicos: breja gelada – confere; ânimo pela bela vitória do Brasil sobre o Chile (motivo de estar cedo em casa, inclusive) – confere; trilha sonora inicial do Gun’s Roses – confere. Aliás, o som ambiente fornecido pelo Poseidon, via pendrive, através do “tocador de ême-pê-trêis” que mandei instalar. Detalhe do chaveiro do Batman ali em riba…

Assim, dando continuidade ao que este vagabundo que vos tecla deixou para trás, vamos terminar de retirar o agregado. Na prática ficou faltando somente soltar as conexões do fluido de freio. Segundo Seo Bento, vulgo meu pai, não haveria problema algum – sequer com vazamento -, bastaria soltar. Eis, assim, o penduricalho que deixei na garagem nos últimos meses depois da última mexida.

Na prática é essa bagacinha aí de baixo que vamos soltar, presa na lataria sabe-se lá Deus como, até porque tá escuro pra dedéu e tô sem lâmpadas reserva para colocar na extensão de ponto de luz.

Chave inglesa na mão, grande e generoso gole goela abaixo, cigarro pendurado no canto da boca e vamo que vamo!

Já deu pra perceber que temos que começar soltando primeiro a parte do caninho (aquilo é cobre?). Até porque o outro lado, o da mangueira, gira em falso. Uma vez solto, vai começar a gotejar fluido de freio (pô, pai!), então tire o tal do caninho pela lataria e deixe-o do outro lado. Não se esqueça da borracha de vedação que o prende na passagem pela lataria (dá pra facilmente tirar com uma chave de fenda). Aliás, não a destrua, como eu…

Ok. E agora, como vamos soltar a mangueira de borracha? Bem, ela é presa por uma trava na lataria, que a impede de sair. Uma chapinha, apenas. Basta um pouquinho de pressão e já libera.

Após repetir a operação do outro lado, já com as mangueiras liberadas é só tirar o conjunto todo de sob o veículo. Detalhe: essa merda pesa pra cacete!

Uma vez retirado todo o conjunto do agregado e com fluido de freio espalhado por tudo quanto é canto que se possa imaginar, partimos para a próxima breja, isto é, para o próximo passo. Agora já com AC/DC rolando.

Pois bem.

Olhando o diferencial – ainda que no breu que encontra-se a garagem – percebo que, em tese, devemos ter apenas dois pontos de contato para cada lado (senão não teria mobilidade e o efeito de amortecimento).

Um dos pontos seria aquela ponta de lança (bandeja? balança?) nas quais estão apoiadas as molas (parece-me também que as molas em si são apenas encaixadas). O outro ponto seria o próprio amortecedor, com acesso à sua parte superior através do porta-malas do carro – aquelas tampinhas de borracha ali dentro.

Decido soltar primeiro as balanças.

Medi a porca com a inglesa e um paquímetro. 20mm. Por sorte tenho uma chave de estria dessas. Após afrouxar as porcas, avaliando um pouco melhor, tenho a impressão que se eu soltar essas balanças primeiro a mola poderá empurrar todo o conjunto para baixo. Então o negócio seria soltar primeiro os amortecedores.

A parte de cima dos amortecedores é presa com uma porca de 17mm. Decido soltar a de baixo primeiro. Menor. 15mm. Após solto e sem arruelas ou porcas, bastou uma simples alavanca para que, conforme supunha, a própria pressão das molas (aliadas à força da gravidade) fizesse o conjunto descer.

Legal.

O conjunto não desceu por inteiro.

Parece-me que por causa de um braço longitudinal que dá firmeza ao dito conjunto. Vou tentar usar o macaco para levantar tudo e tentar soltar esse braço (e com o c… na mão se essa m… toda resolver cair). Foi mais fácil do que imaginava.

Contudo, após soltar o braço, ainda assim o conjunto não arriou. Parece-me, então, que verdadeiramente são as bandejas que seguram a estrutura (ainda que não faça muito sentido na minha cabeça). Tiremos, pois seus parafusos. Da bandeja, não da minha cabeça.

Levantei ligeiramente a estrutura com o macaco. Tirei as porcas das bandejas e bati levemente com o martelo até afundar (não queremos estragar a rosca, certo?). Já no limite, continuei com um punção. O parafuso estava saindo facilmente. Bem mais do que eu esperava. Segurei a estrutura com as mãos mesmo e já deu o ângulo para que o parafuso corresse livre. Tirei-o. A pressão das molas até que foi pouca e bastou abaixar as bandejas e remover o macaco.

Ainda assim a estrutura não desceu!

Catzo!

Olhando melhor (breu, escuro, lembram?) percebi que ainda existe um par de braços segurando todo o conjunto no meio da lataria. Ok. Faz sentido. Para cada lado seriam dois pontos para o amortecimento e um outro, central, como guia. O braço seguinte a ser solto é o danado aí de baixo, que dá pra ser visto logo atrás da mola.

Bem, para continuar a desmontança creio que neste momento falta-me luminosidade o suficiente, bem como sobra-me um tanto de bom senso para não fazê-la (ainda que o grau etílico usual esteja bem abaixo dos padrões da normalidade).

Mas, na realidade, tenho é um pouco de receio de continuar sem um ponto de apoio “mais” sólido. Tá certo que segurando a carcaça tenho quatro cavaletes que aguentam até uma caminhonete carregada, mas eu, sinceramente, me sentiria beeeeeeem mais seguro se tivesse a certeza absoluta de que nenhum desses cavaletes teria a mínima possibilidade de tombar.

Assim, só implementando o “berço de reforma” que já vim em algumas oficinas e fotos por aí. É algo que tenho em mente, do tipo de uma gaiola, que iria por baixo do veículo, sustentando-o, mas que teria quatro robustas “rodas malucas” (do tipo daquelas de carrinhos de supermercado). Com isso ficaria até mesmo beeeeeem mais fácil  de movimentar a lataria pela garagem e eu teria muuuuuito mais segurança de me enfiar sob o veículo.

Desse modo aproveitei para tirar as medidas do que seria essa gaiola. Entre os pontos laterais do carro (na direção do entre-eixos) temos 142cm. Na largura, na dianteira, 135cm. Já na traseira…. 135cm também! Boa medição! Como existe uma parte da longarina que se projeta um pouco para baixo na altura dos bancos dianteiros, será necessário respeitar pelo menos uns 7cm na altura.

E assim termino a brincadeira de hoje com um último gole na breja (terceira latinha) e ao som de “If you want blood, you’ve got it”

Dominguices

27 jun 2010 | Guardado em: Bizarrices |

Em época de Copa do Mundo, os torcedores manifestam seu apoio à Seleção Brasileira de diversas maneiras. Uma família de Belo Horizonte (MG), por exemplo, resolveu demonstrar seu patriotismo passeando pelas ruas da cidade com um carro customizado, batizado de “Jipala” (junção da frente de um Jeep a um Chevrolet Opala).

O resto tá aqui.

Repararam lá atrás que ele tem até estepe?…

E o quê, cargas d’água, é aquela coisa no capô?

Desembreado

22 jun 2010 | Guardado em: Dicas, Poseidon / Cruzador Imperial |

Você já ficou sem embreagem?

Já?

Putz, é horrível…

É que estava eu, há exatamente um mês atrás, em pleno sabadão, junto com a Tropinha de Elite (vulgarmente conhecidos como meus três filhotes: Escapou, Já Foi e Já Era), quando – do nada – o pedal de embreagem do Poseidon afundou totalmente.

A impressão é que ele tinha ficado travado, mas, na prática, ele só perdeu o efeito de mola que o próprio cabo lhe proporciona.

Olha, eu juro que tentei e me esforcei, mas sem ter conhecimento de causa de como funciona a “mecânica” da coisa, esse “mechânico” que vos tecla não tinha a mínima possibilidade de consertar a viatura…

Liguei para o bom e velho mecânico que havia dado uma geral no Titanic II e contei-lhe a saga. Ele mandou um assecla ajudante – já, inclusive, com uma travinha no bolso. É, o caboclo conhece bem da matéria e por telefone mesmo já tinha formulado o diagnóstico: o cabo escapou.

Acontece que a ponta do cabo da embreagem é presa no pedal num dos locais mais inacessíveis e mal iluminados que se poderia imaginar num veículo. O rapaz bem que tentou, mas sem ferramentas e iluminação a coisa não rendeu.

Resolvemos levar o carro para oficina. E lá fui eu, rezando para não pegar nenhum sinal vermelho e fazendo a mudança de marcha de ouvido, morrendo de dó das engrenagens do câmbio.

Ainda que aos trancos e barrancos a viagem foi curta e sem incidentes.

E lá, mesmo com todo o aparato necessário, ainda assim levou quase uma hora para conseguir encaixar a bagaça – que nada mais é que uma ponta de metal presa com um anel de pressão.

Tudo pronto, ponho a criançada pra dentro, engato a ré, ponho o carro pra fora, entro na primeira e o cabo sai na segunda.

Tudo igual.

Não andei nem cinco metros.

Com jeitinho, lá vai o carro pra dentro da oficina de novo (nesse meio tempo a Dona Patroa chegou e resgatou os pimpolhos).

Chegamos à conclusão que não iria adiantar simplesmente encaixar de novo, pois, fatalmente, acabaria escapando. O negócio era assegurar que o mesmo não saísse. Como? Colocando uma travinha na ponta do cabo.

Foi questão de tirar tudo de novo e, com uma broca bem fina, fazer um furo na cabeça do cabo. Isso feito, bastou encaixar tudo mais uma vez – inclusive com a arruela de pressão – e colocar a cupilha no local do furo, logo após a arruela.

Ficou perfeito!

Só para que entendam o que foi feito (e este registro tem o condão de ser uma dica de mim para mim mesmo em algum perrengue futuro), eis uma imagem de onde vai o cabo (em amarelo) e onde foi colocada a cupilha (em vermelho).

Frase de segunda

21 jun 2010 | Guardado em: Fraseologia |

Essa estava lá na lista – não bem com essas palavras, mas dá pra pegar o espírito da coisa.

Com carro antigo é sempre assim: põe a placa de “VENDE-SE” e desvaloriza 50%; quando tira, todo mundo quer por 200% a mais…

Farol de Milha x Farol de Neblina

18 jun 2010 | Guardado em: Dicas |

Didática expllicação do “Prof. Caldeira”, lá d’A Turma

Não confundam farol de milha com farol de neblina…

Farol de milha – farol de longo alcance, acionado somente quando o facho alto está acionado seu foco é concentrado e direcionado para o mais longe possivel. e para o centro da pista…

Farol de neblina (ou de nevoeiro) – curto alcance, foco disperso indo de uma lateral do carro até a outra, reforçando a iluminação das faixas de rolamento da pista e acostamento… geralmente fica numa posição mais baixa (parachoques) do veiculo…

A linha Opala teve ambos os tipos de farois auxiliares

Nos pré-80 (acho que só a partir de 75, alguém confirme) tinha os de milha (redondinhos, ficam presos no parachoque e em frente a grade do radiador) e os de neblina (quadrados e na parte de baixo do parachoque. Os de neblina ficavam mais para os cantos, para iluminar melhor as laterais da pista, e os de milha ficam mais para o centro do carro com foco mais reto.

Nos 80-84 tinha os quadradinhos de neblina abaixo do parachoque.

De 86-87 vinha os de neblina nos Diplomatas, junto aos farois principais.

Nos 88-92 vinha os de neblina incorporados aos farois principais (no “triângulo”) entretanto o acionamento deles não vinham em todos sendo de série no Diplomata e opcional nos Comodoro.

Quando as picapes GM passaram a usar farol igual ao do Opala 88-92 o triângulo trazia na verdade um farol de longo alcance (milha) ao invés dos de neblina da linha Opala (repare que no Opala tem riscos verticais na lente, e nas pickups essa parte é lisa)…

Farol de neblina regula pras laterais (e abaixo do foco do farol baixo) e farol de milha regula igual o farol alto.

Solda complementar: Enquanto que o Farol de Neblina pode ser acionado apenas com a lanterna (“farolete”) e a chave de ignição, já o Farol de Milha (de longo alcance) aciona somente junto com o farol alto. O esquema de ligação do relê original GM é o seguinte:

– no pino 30 – fio pós chave (fio preto);
– no pino 86 – positivo da lanterna (fio cinza/preto,cinza/vermelho ou cinza/verde);
– no pino 85 – negativo (fio marrom) ou pode ser aterrado à lataria do carro;
– no pino 87 – saída para as lâmpadas do farol de neblina.

Frase de segunda

14 jun 2010 | Guardado em: Fraseologia |

Clássica entre os opaleiros:

Quem gosta de motorzinho é dentista!

Mais antigos - engata a ré!