A diferença que um macho faz na vida de alguém…

ÔPA, ÔPA, ÔPA!!!

Não é nada disso que vocês estão pensando!!!

Vamos parando por aqui, tá bom?

Melhor explicar essa bagaça direito…

Vamos lá. Segundo a Wikipédia: “Machos são ferramentas que têm a função de gerar roscas internas em furos para o rosqueamento de parafusos, fusos ou prisioneiros. Essas ferramentas são fabricadas de aço-rápido temperado e retificado que apresenta em seu corpo filetes de rosca padronizados com canais longitudinais ou helicoidais, cuja função é alojar os cavacos originados pelo processo. A norma NBR7260 define a terminologia empregada nos machos para roscar.”

Ou seja, para resolver o problema daquelas roscas entupidas que vimos na última postagem, somente refazendo-as com a ajuda dessa ferramenta.

Entenderam agora, ô cambada de hereges?

Pois bem. Como sempre, fui no único lugar do universo em que é possível encontrar todas as ferramentas do mundo: na casa de meu pai. É lógico que ele não só tinha a ferramenta como também exatamente na medida que eu precisava. E com um plus! É que em vez de utilizar uma chave de boca para girar a ferramenta (e só vou chamá-lo assim porque é meio esquisito ficar escrevendo “macho” toda hora…), meu pai construiu uma outra ferramentinha específica só pra facilitar o trabalho! Como o jogo de machos vem com três unidades – uma para começar a abrir uma rosca do nada, outra pra dar o contorno inicial e uma terceira para finalização – peguei somente a última, pois as roscas já existiam, só precisavam se lembrar de como já foram um dia…

Bastou começar a rosquear levemente para ele encontrar os sulcos que ainda estavam por ali…

…e já na sequência, tendo atravessado, a rosca voltou ao seu estado original!

E a melhor maneira de comprovar isso é simplesmente rosqueando na mão um parafuso na rosca recém descoberta. Aliás, parafuso novo, que não sou besta. Ficou perfeito!

Então agora, com as roscas devidamente recuperadas, a fixação do paralama seria bem mais fácil. Como em casa, sem contar o Gol do meu sogro, ainda temos dois outros carros, o Bilbo, um Ford Ka que eu uso, e a Madame Zafira, que fica sob os cuidados da Dona Patroa, achei por bem usar o carro dela para o transporte da peça. A bem da verdade o espaço interno da Zafira, mesmo sem deitar os bancos, é infinitamente maior que o do Ka, mesmo com todos os bancos deitados…

O encaixe ficou perfeito! Contudo o trabalho maior ficou por conta daqueles parafusos ali de cima, do “nariz” do paralama, já que o espaço é minúsculo não só para um caboclo de mãos grandes como eu, como até mesmo para o manuseio de uma chave de boca. Mesmo as chaves cachimbo ou com catraca não encontram espaço suficiente ali para se mexer. Ou seja, com pequeninos movimentos de rosqueamento e constantes viradas (e derrubadas) da chave de boca, o marmitão aqui levou mais de uma hora para fixar somente esses dois parafusos… Isso sem nem falar das cãimbras e esfolados na mão e o joelho que doía. Mas este sou eu reclamando da vida e vocês não estão aqui pra saber disso, estão aqui é pra saber de Opala, então vamos prosseguir com o que interessa.

Como eu havia dito, todos os parafusos e presilhas são novos, o que juntamente com a pintura perfeita do Titanic já dá uma aparência muito bacana!

E assim, lentamente, temos que ele começa a retomar sua forma original…

Tudo novamente fixo e justinho, estando onde deveria estar!

Vamos combinar: êita carrão bonito, né?

Bão, depois de colocar o outro paralama, poderemos voltar à instalação das setas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *