Contando farol – parte 1 de 3

Já há dias (semanas?) eu havia comprado um conjunto de lixas d’água e uma latinha de spray preto fosco para dar um trato naquele “piniquinho” que abriga o farol. Do par que estava instalado, um deles estava muito detonado, bastante carcomido de ferrugem, de modo que fuçando daqui e dali acabei descobrindo um caboclo que tinha um pra vender – e que, mesmo assim, também já não estava lá 100%. Ainda assim estava melhor que o meu. E morri com quarenta contos.

Mas valeu por conhecer o sujeito, que, inclusive, está restaurando um SS amarelo – 76, se não me engano. Gente finíssima!

Como finalmente encontrei um tempinho pra mim neste último sábado, resolvi que era chegada a hora. O primeiro passo, como sempre, seria limpar, lavar e desobstruir anos de acúmulo de sujeira – tanto enquanto as peças estavam instaladas, como também depois, quando ficaram guardadas. E dá-lhe escova, bucha, muita água e sabão! E depois toca tudo pro sol, que estava de rachar coquinho, que é pra secar bem seco…

Aliás, vamos combinar: o que o poder do Bombril não faz, hein? Pela foto pode até não parecer, mas os aros ficaram brilhando como novos!

O passo seguinte, com as peças já limpas e devidamente lixadas seria o da pintura. Como já tive alguma experiência com isso – ainda que fosse na minha longínqua adolescência – foi legal matar a saudade. Tudo bem que na época eu desmontava e pintava bicicletas com pistola e compressor, raramente usando de latas de spray. Mas descobri que a gente nunca perde o jeitinho não… Como sei do desastre que sou para sujar as mãos e do desastre maior ainda que é o trabalho para limpá-las, nada como uma boa luva cirúrgica para proteção. O fato de ter deixado as peças no sol também ajudou, pois com elas estando quentes a fixação da tinta se dá de uma maneira mais rápida e melhor.

Enfim, o resultado final, penduradas na escada para secar. A do fundo é a original, que está praticamente intacta; já na que está em primeiro plano é possível perceber os furos de corrosão, mas que ainda assim não afetarão sua instalação.

Bem, como nas instruções do spray (sim, eu sou um dos 7 sujeitos no Estado de São Paulo que realmente lê as instruções dos produtos) estava escrito que levaria 15 minutos para secar, uma hora para poder manusear e 24 horas para de fato fixar, fica pra amanhã a montagem…

Até porque saporra dessas luvas deixaram minhas mãos completamente encharcadas de suor!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *