Museu do Automóvel de Ubatuba

E eis que nesse final-de-semana, com a Dona Patroa e a criançada de férias, desci para o litoral para me encontrar com a tropa toda, lá na casa de minha tia, em Ubatuba, SP.

Praia, cerveja, bate-papo, cerveja, mar, cerveja, ou seja, o normal numa praia qualquer. Sem contar a cerveja…

Mas com a criançada a tiracolo um programa, digamos, mais “cultural” se fazia necessário. Desse modo fomos ao já famoso Aquário de Ubatuba. Quando da entrada, de brinde já recebemos mais dois ingresso: um para a exposição dos répteis, logo ali do lado, e outro para o Museu do Automóvel.

– CUMASSIM??? Tem algum museu de carros antigos por aqui?

Me explicaram que sim – e era ali pertinho!

Bão, opaleiro que é opaleiro, gosta tanto do cheiro da ferrugem quanto do brilho de um carro bem restaurado. Aí a criança que se esconde dentro de mim (tá, vamos lá, não se esconde taaaaaanto assim) falou bem mais alto.

Para quem gosta, sinceramente, vale a pena.

O espaço é pequeno mas o acervo é bem variado. Foram dezenas de fotos, das quais escolhi apenas algumas para esta nossa vitrine virtual. Destaco a curiosidade de um pequenino Fiat vermelhinho, bem como a imponência do Impala, uma espécie de “avô” do Opala. Mais para o final temos uma lista de vários museus no Brasil (fiquei com preguiça de copiar, então fotografei) e só lamento que a foto que tirei de um pôster lá da parede não tenha ficado muito boa. Estava a uma distância considerável e com o movimento do povo não consegui me aproximar muito. E zoom à distância sem apoio é phowwdas

Mesmo assim as duas últimas fotos estão em 800 x 600, para que possam ampliar e tentar ver melhor os detalhes.

Interlúdio

Como nem só de oficina vive o ser humano, aproveitei o domingão (meio nublado, quase chuvoso) para dar um pulo no Distrito de São Francisco Xavier, aqui mesmo em São José dos Campos, para uma exposição de carros antigos que tinha sido anunciada há alguns dias.

A criançada adorou ver aquelas novas velhas máquinas todas expostas. A começar desta criança mais velha que vos escreve… Tirei muitas – MUITAS – fotos, até para servir como referência na reconstrução do meu 79. Aliás, por questões de espaço e largura de banda, as que seguem estão reduzidas, mas caso alguém queira uma cópia em “tamanho natural”, basta me avisar que eu mando.

Essa primeira sequência mostra as várias marcas expostas devidamente perfiladas para o deleite do público:

A seguir temos os mais variados Opalas dos mais variados anos:

Aqui temos uma figura curiosa, quase um “intruso” no meio das antiguidades:

E, por fim, não podia deixar de tirar uma foto desse carrinho aí embaixo. Explico. O sobrenome da Dona Patroa, por parte da família de seu pai, é nada mais nada menos que Miura