Fiquei com vontade de trocar de carro…

Dia desses eu e a Dona Patroa fomos a uma revenda dar uma olhada numas opções de carro (depois eu conto o porquê). Aproveitei que estava por ali e fui dar uma conferida em nada mais nada menos que um Camaro Preto Conversível Zero – assim mesmo, com tudo começando em maiúsculas que é para demonstrar respeito.

E, apesar de todo O Projeto (sim, maiúsculas também), neste mês de dezembro fiquei com vontade de trocar de carro de novo…

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

Já tive a mesma vontade em dezembro passado (e é só isso mesmo: VONTADE), então passou rapidinho!

Cabô?

Janeiro de 2007.

Foi quando comecei este meu próprio Projeto 676, mesmo sem saber que assim iria se chamar, mesmo sem saber quanto tempo levaria, mesmo sem saber quanto iria gastar, mesmo sem saber o quanto me apaixonaria por tudo isso, mesmo sem saber o tanto que agora sei…

Outubro de 2016.

Estamos perigosamente nos aproximando de dez anos desde o início d’O Projeto… Com paciência demais (por parte do mecânico, Seo Waltair) e com dinheiro de menos (de minha parte, eu mesmo), parece que tudo meio que “congelou” no que diz respeito à evolução do Titanic – não que ele seja um pokémon…

Então, a pergunta que não quer calar: Cabô?

Ou seja, não ata nem desata? Não vai mais pra frente? Parou de vez?

A todas essas perguntas – e quantas mais houver, quer seja de opaleiros ou de meros curiosos – só tenho uma única resposta possível.

NÃO.

Muita coisa aconteceu nos últimos tempos e, mais uma vez, minha vida irá dar nova guinada de 180°, um verdadeiro cavalo de pau, no melhor estilo opalístico de ser. Mas isso não significa que vou deixar de lado este nosso projeto – antes o contrário! Talvez com mais tempo e podendo me concentrar em amealhar mais renda, provavelmente será um período em que poderei me dedicar ainda mais, senão em concluir, ao menos em completar a fase atual – que já se prolongou por tempo demais…

Ou seja, me aguardem bem mais presente neste nosso espaço – confesso que um tanto quanto abandonado nos últimos tempos – se não para tratar d’O Projeto, ao menos para voltarmos a trocar ideias sobre o mundo dos Opalas!

E para não dizer que este foi um post sem imagens (diferente do que sempre faço), eis uma fotinha para vosso deleite. Que não é de um Opala. Nem ao menos de um Chevrolet. É a roda do Bilbo (o Ford Ka, lembram?), depois de eu abrir demais numa curva que tinha que abrir de menos… :-/

Clique na imagem para ampliar!

E VAMO QUE VAMO!!! 😀

Ferrugem na família

E eis que meu irmão do meio (eu sou o caçula) resolveu assumir a sua cota de ferrugem que circula no sangue da família! Se meteu a reformar – ele mesmo – um velho fusca que (sei lá onde) arranjou… Só que como ele mora num apartamento e não tem espaço possível para tal empreitada, resolveu que faria isso lá na oficina do Seo Bento, vulgo “nosso pai”!

Essa empreitada começou em maio deste ano, quando vi o fusca pela primeira vez. Ruinzinho, bem ruinzinho… Mas ainda assim a anos-luz de perfeição se comparado ao estado do Titanic quando comecei!

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

E estas fotos já são mais recentes, agora do final de julho!

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

Preciso é arranjar um apelido pra essa baratinha azul cascuda… 😉

Ai, que tá entrando…

Ô, podem parar!

Não é nada disso que vocês estão pensando, não!

Cambada de hereges…

Mas, a um passinho de cada vez, vamos evoluindo! Primeiramente foi preciso levantar a criança para dar condições de ter um espacinho melhor para trabalhar.

Clique na imagem para ampliar!

Outros “órgãos” encontram-se já na mesa de operação, aguardando sua vez…

Clique na imagem para ampliar!

Então.

Agora preparem-se que as cenas a seguir são fortes. De extremo deleite para quem aprecia os libidinosos contornos de um motor exposto em sua mais escancarada sensualidade… Sei que algumas fotos ficaram meio embaçadas (ah, esses amateurs…), talvez pelas lágrimas de felicidade que me turvavam a vista ao, finalmente, ver minha criança, meu Titanic, cada vez mais perto da próxima fase. Mas – tenho certeza – assim como eu, vocês também irão se emocionar… :’-)

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

 

Clique na imagem para ampliar!

Pois, é cavalheiros – não demora muito a fera estará prestes a rugir novamente! Tá certo que ainda temos muitos detalhes pela frente – como, por exemplo, a cremalheira que não tá lá muito boa (se não sabe o que é isso, dê uma lida neste post aqui…), o radiador que ainda precisa ser restaurado, o tanque que precisa ser comprado… – mas nada que impeça o andamento d’O Projeto! 🙂

E para que não digam que sou de todo mau (ainda que seja), eis uma última foto – talvez a única que tenha saído nítida o suficiente para apreciação alheia…

Clique na imagem para ampliar!

Motorizando – parte X (Bilbo Bolseiro)

Clique na imagem para ampliar!

Isso mesmo.

Um Ka.

Parece praticamente um desequilíbrio emocional para quem está num projeto de Opala, não é mesmo?…

Clique na imagem para ampliar!

Aliás, a primeira pergunta que eu sempre ouvia quando dizia ter comprado um Ka invariavelmente era: “Mas você cabe num Ka?”… Gente: garanto-lhes que, mesmo do alto de meu um metro e noventa, o Ka é confortável o suficiente para mim. Só não posso dizer o mesmo de quem sentar no banco traseiro…

Clique na imagem para ampliar!

Aliás acabei me dando bem: eu estava negociando primeiramente com uma loja de carros, procurando um financiamento, e tinha um 2006 em vista – daquele com cara de “sapinho”. Já andei num de um amigo e sabia que eu cabia… Mas de vez em quando a gente até que consegue ter um tiquinho de sorte!

Clique na imagem para ampliar!

Meio que sem querer querendo descobri que a irmã da Fernanda, uma querida amiga que trabalha comigo, estava vendendo o carrinho dela. Ano 2009, modelo 2010, com aproximadamente 90 mil quilômetros – ou seja, dentro de um padrão aceitável, que é de 12 a 15 mil por ano (bem na casca!). Pneus bons, perfeito estado, documentação em dia, IPVA pago. Conferi o preço de tabela: R$16.500,00. Fiz a proposta de mais ou menos uns 10% abaixo da tabela, coisa de R$15.000,00.

Topou!

Clique na imagem para ampliar!

E assim me tornei o mais novo feliz proprietário de um carrinho mil, que faz cerca de 13 a 14 quilômetros por litro (bem melhor que os 7,5 do Cruzador Imperial), e que, pelas reduzidas dimensões, foi carinhosamente apelidado pelo meu filhote mais velho de Bilbo Bolseiro

Ah, sim: sou o segundo proprietário! 😀

A seguir aguardem cenas explícitas de um motor no cofre…