Temas do Wordpress
   Início   

Extintores em extinção

18 set 2015

Cês tão de sacanagem…

Depois de toda a correria, de toda a gastança, de toda a multança, depois de o extintor ABC ter simplesmente desaparecido da face da Terra – gerando um “mercado paralelo” pra lá de lucrativo – agora o Contran me vem com essa?

Oi? Não estão sabendo? Então. Não é que o Contran (Conselho Nacional de Trânsito) informou nesta última quinta-feira, 17 de setembro, que o uso da porra do extintor nos automóveis e veículos comerciais leves passará a ser facultativo? Pois é. Essa decisão foi anunciada por Alberto Angerami, presidente do órgão e diretor do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito).

Entretanto a obrigatoriedade do equipamento será mantida nos veículos de uso comercial, de transporte de passageiros e de produtos inflamáveis (líquidos e gasosos), tais como caminhões, microônibus, ônibus e o escambau.

Olha só: é de conhecimento até do reino mineral que o brasileiro, de um modo geral, não tem nenhuma noção de como utilizar um extintor. Os exames para tirar habilitação são uma piada e não é realizado nenhum tipo de curso preparatório. Nem mesmo para utilização daquela idiotice dos kits de primeiros socorros “obrigatórios” (quem lembra?) – que continham dois rolos de ataduras de crepe, um rolo pequeno de esparadrapo, dois pacotes de gases, dois pares de luvas e uma tesoura sem ponta. No caso de um acidente com vítimas o que é que você faria com isso, hein McGyver?. Ora, invariavelmente, numa emergência qual é a primeira reação do motorista – ainda mais no caso de fogo? Sair correndo e o carro que se foda.

E sabem o porquê dessa decisão do Contran?

Simplesmente porque descobriram que as “inovações tecnológicas introduzidas nos veículos aumentaram a segurança contra incêndios”… Isso aliado ao fato de que, num levantamento feito pela Associação Brasileira de Engenharia Automativa, constataram que nos acidentes com incêndio somente cerca de 3% dos motoristas é que usaram o extintor. E, ainda assim, não se tem informação se usaram da maneira correta…

Aliás, consta que nos Estados Unidos e na maior parte da Europa não existe a obrigatoriedade – sabem o porquê? É que as “otoridades” consideram que a falta de treinamento e despreparo dos motoristas no manuseio gerariam ainda mais riscos que o próprio incêndio em si!

Enfim, a decisão foi tomada, mas, até onde sei, ainda não foi baixada portaria, resolução ou seja lá o que for. Enquanto isso não ocorrer “formalmente”, a fiscalização continua e a punição para quem não estiver com o equipamento ou para quem estiver com o equipamento com prazo de validade vencido implica numa multa no valor de R$127,69 e cinco pontos na carteira de habilitação.

Mas não demora muito, cedo ou tarde ainda poderemos dar outra utilização para aquele suporte do extintor…

| Guardado em: Burrocracia, No mundo lá fora |

Harley Davidson: como tudo começou…

16 set 2015


William Harley & Arthur Davidson – 1914

| Guardado em: Dois Canecos |

O início do fim…

26 ago 2015

…dessa etapa!

E eis que na usual visita semanal, uma grata surpresa me aguardava…

Mas antes vamos falar um pouco da situação geral e dos porquês das coisas. Muita gente já me questionou – ao vivo e online – se eu não estava sendo “enrolado”. Sempre fui muito veemente e categórico em deixar claro que NÃO, não era nada disso, que o meu “acordo” com o Seo Waltair era de que trabalhasse absolutamente sem pressão, no tempo e no modo dele. Tá certo que ficamos um bom tempo de molho à procura de um câmbio de cinco marchas (lembram?), até que desisti. Ao menos, por enquanto.

Ainda assim restava o motor, que já tinha sido enviado para retífica e nunca que voltava. Tem coisa de umas duas semanas que, num proseio com o Seo Waltair ele me contou o que havia corrido. Isso porque até mesmo ele já estava ficando encafifado com essa demora toda e resolveu ir até lá para saber o que estava acontecendo.

E o caso, ao que parece, foi que o dono dessa retífica tinha dois funcionários de extrema confiança, um que cuidava do administrativo e outro que o ajudava no dia a dia com os motores. Caboclo bão de serviço e que era o braço direito dele. E eis que o cara do administrativo, assim de uma hora pra outra, resolveu sair, deixando-o na mão. Só com isso já não foi nada fácil ter que conciliar tudo, toda aquela papelada, compromissos, pagamentos e mais as retíficas. Mas ainda assim foi tocando seu negócio. Até que o cara da mecânica também resolveu sair. Aí o mundo ficou muito mais complicado – até por conta de que não seria nada fácil encontrar outro sujeito desses no mercado ou, pior, ter que treinar alguém do nada!

E então veio o golpe de misericórdia.

O desinfeliz do mecânico entrou com uma reclamação trabalhista contra ele! Aí sim a coisa despirocou de vez. Ele que já havia ficado magoado com a saída do rapaz, ficou então totalmente desacorçoado. Perdeu o rumo, a mão, a vontade. E levou tempo para se recuperar. Um bom tempo. Mas como tudo na vida tem um limite (inclusive o cheque especial), ele conseguiu superar esse abalo e, aos poucos, foi voltando à sua normalidade, seu dia a dia, seus compromissos e assim por diante. E, dentre esses compromissos, um deles era exatamente a retífica do meu motor. Que foi entregue!

E quem veio me contar, todo pimpão, foi o filho do Seo Waltair!

Disse-me que ainda faltavam outras partes, como o pistão, anéis, etc – ou seja, o kit completo – mas que agora eles iam começar a montagem.

E, só pra constar, com a retífica, ainda que imperceptivelmente, a cilindrada do motor aumentou. Pois fazer uma retífica nada mais é que “alargar” um pouquinho os cilindros, no caso em 0,25mm (padrão para a primeira retífica). Aliás, para que entendam um pouco melhor essa história, saibam que “cilindrada” tem a ver com o “tamanho de motor” e é a medida do volume total dos cilindros em centímetros cúbicos. Assim, 1.000cc equivale a 1 litro. Por exemplo, um motor de 500cc com 2 cilindros significa que num cilindro, com seu pistão na posição mais baixa, cabe o conteúdo de um copo de 250ml, ou seja, cada cilindro é de 250cc, o que multiplicados por 2 cilindros somam as 500cc.

No caso do Opala seis cilindros (4.1) a “cilindrada oficial” é de 4.095.336mm³; com a primeira retífica, vai para 4.137.048mm³. Se é que não errei na conta…

Mas o mais legal foi ver a animação do rapaz, pois ele veio me perguntar se eu iria querer pintar o motor com a cor original – já sugerindo que o motorzão todo vermelho no Opala laranja poderia ficar esquisito. Como eu percebi que ele já havia pensado bem no assunto, lembrei-o de que eu estava reformando o Titanic, e não restaurando. “Desembucha”, eu lhe disse.

Então ele me levou para um outro canto da oficina e me mostrou como estava a tampa, pintada de preto.

E já sugeriu fazer a mesma coisa com as tampas laterais do motor, porque daí daria uma quebrada e ficaria muito mais bonito. Fiquei feliz com a empolgação dele e garanti que ele poderia dar asas à imaginação, pois no meu íntimo eu já tinha certeza que ele seria tão caprichoso quanto o pai.

E só pra completar ele já sugeriu fazer uma fina linha vermelha nas letras da tampa…

Enfim, é isso. Aguardem cenas dos próximos capítulos – que, garanto-lhes, em breve virão! 😀

Em tempo: Caso queiram saber como foi a conta matemágica para se chegar na cilindrada do motor, eis a fórmula:

(PI x r² x h) x n, onde:

PI = 3,1416

r = raio do pistão ao quadrado (metade do diâmetro, que é de 98,43mm)

h = curso do pistão no cilindro (que é de 89,7mm)

n = número de cilindros (que são os 6 canecos do 4.1)

| Guardado em: O Projeto |

Aiô, Silver!

12 jun 2015

Olá comunidade Opaleira!!!

Bem, ao menos aos quatro ou cinco que ainda “ousam” passar por aqui…

Estava preparando um longo texto acerca das últimas ocorrências com o nosso querido, amado, idolatrado Titanic, em especial acerca da dificuldade de encontrar as buchas necessárias para a retífica do motor, já com imagens e minhas pseudo-explicações técnicas sobre o que são e o que fazem, mas… a vida é uma caixinha de surpresas! Ou seja, o trabalho tem me consumido e nos finais de semana o ânimo para escrever tem me fugido…

Mas o que aconteceu hoje necessitava ser compartilhado!

Fui até lá na mecânica do “Seo” Waltair para a semanal visita ao moribundo, saber a quantas anda tudo, se precisava de algo ($$$), enfim, coisas do gênero. Tudo sob controle e a montagem do motor (talvez) comece na próxima semana. E sempre que falo isso vou me lembrar do filme Um dia a casa cai… Quanto tempo para ficar pronto? “Two weeks”. Sempre.

Mas, enfim, já estava até indo embora quando o bom velhinho, com um olhar maroto, me perguntou:

“Já te mostrei o Opala que está lá embaixo?”

Por “lá embaixo” entenda-se a casa ao lado da oficina, com uma frente gigantesca toda gramada.

“Não.”

“Então vamos lá!”

Fiquei curioso e o acompanhei. E ele animado para me mostrar o que queria mostrar – tanto que, naquele momento, chegou uma cliente pedindo para ele dar uma voltinha com ela para ouvir um barulho diferente no carro. Ele pediu para que ela esperasse um pouquinho, que já voltava. E lá fomos nós.

Já do portão entendi o porquê ele queria me mostrar aquele Opala…

Clique na imagem para ampliar!

Lindo! Ainda mais se considerarmos a capota de vinil, que acentuou ainda mais seu charme todo próprio!

Clique na imagem para ampliar!

Por mais que olhasse e procurasse (à exceção da letrinha “R” faltando na frente), o carro realmente estava impecável em todos os detalhes!

Clique na imagem para ampliar!

Se não original, tudo ao menos em perfeitíssimo estado de conservação!

Clique na imagem para ampliar!

E mesmo eu, que não sou lá muito fã de bancos de couro, não pude deixar de apreciar – e muito – os detalhes e o esmero do estofamento…

Clique na imagem para ampliar!

Mas, por incrível que pareça, esse ainda não era o ponto.

O que ele queria mesmo me mostrar era outra coisa.

Depois de admirar o carro e dar uma e outra e outra volta em torno do mesmo (com a cliente lá na oficina ainda esperando e ele sem pressa nenhuma), então me pediu para abrir o capô.

“Zuzo bem…”

Procurei a alavaquinha, bem escondidinha lá no fundo e puxei.

Enquanto isso ele levantou e apoiou a tampa do capô.

Saí de dentro do carro e fui dar uma olhada…

Clique na imagem para ampliar!

É brincadeira????

Clique na imagem para ampliar!

Um belo de um motor de Silverado, perfeitamente adaptado dentro da criança!

Eu sempre costumo dizer que os motores de Opala são plug-and-play, pois são possíveis de adaptar em praticamente qualquer carro. Até num Fusca, eu já vi! Mas que o cofre do motor do Opala também tinha a capacidade de receber “monstros” como esse, juro que eu não sabia que era possível!

Enfim, ainda que não tenha notícias frescas de nossa aventura opalística, ao menos pude compartilhar essa linda visão que tive hoje pela manhã…

🙂

| Guardado em: Fotos de Sexta |

O Tanque

12 abr 2015

Não.

Péra.

Não é nada disso.

Estamos falando de tanque, sim, mas é de combustível…

Em particular o do Titanic.

Que nada deve para uma peneira. Das boas.

Explico. Como agora retomamos a montagem do carro… Hein? O quê? Eu não havia falado disso? Pois é, vejam só… Tendo abortado a busca ao sagrado câmbio perdido, foi questão de tempo – e pouco – para finalmente darmos o próximo passo, qual seja, a retífica. Ainda pretendo falar um pouco mais disso por aqui, mas por enquanto basta saber que ela já foi providenciada. Nesse meio tempo o Seo Waltair saiu à busca de suportes para o radiador (mudamos o motor para 6 cilindros, lembram?) e cuidou de dar um trato no tanque.

Mas nem foi preciso muito…

Ao simplesmente tirar o excesso de barro e pó que se acumularam no decorrer dos últimos anos, já ficaram nítidos os furos. A corrosão veio de dentro pra fora. Nem foi preciso uma escova de aço para que os malditos furinhos aparecessem…

Faltou dar um zoom, mas creiam-me: eles estavam lá. Como se algum tipo de cupim de metal tivesse feito alguma reinação no pobre do tanque. Estrago digno de um Megatron avariado…

Bem, constatado o óbvio, o negócio é seguir em frente. A busca por um outro tanque, de metal mesmo. Segundo ele, adaptar um de “plástico” teria mais inconvenientes que vantagens, desde a fixação até mesmo a regulagem do marcador de combustível. E já concordamos que nada de buscar tanque usado. Se é pra fazer certo, que seja novo, então.

Ele vai fuçar do lado dele e eu do meu.

E, cá do meu lado, numa fuçadinha básica encontrei um de 65 litros lá na Jocar. Da marca Igasa, recomendado para Opalas de 82 a 84. Quase quatrocentos contos! Mas, se servir, bem, pelo menos em dez vezes no cartão eles fazem. E, na atual conjuntura, com tudo mais que ainda precisaremos para que o Titanic volte à vida, isso já me daria um fôlego gigantesco…

Encavalando o proseio…

Depois de já ter concluído este post lembrei-me que em algum lugar já havia visto uma matéria um pouco mais completa sobre tanques. Não tive dúvidas: fui dar uma fuçada na minha modesta biblioteca e encontrei o que queria lá na revista Opala & Cia nº 27. Muito boa e única do gênero que se mantém. Royalties, please. Aceito na forma da revista nº 2 que é a única que falta na minha coleção! 🙂

Mas voltemos ao assunto – e, pra variar, com um pouco de história.

Quando foi lançado no mercado o tanque da linha Opala não fugia do tradicional. Os modelos da época, tanto o 3.800 quanto o 2.500, possuiam um tanque feito com chapa de aço estampada e bocal metálico, com capacidade para 55 litros. Em 1975, com a reestilização da linha, houve alterações nas tampas dos reservatórios, mas não com relação aos tanques em si. Mais tarde, em 1979, por conta da crise do petróleo, a capacidade do tanque foi ampliada para 65 litros para garantir uma maior autonomia – principalmente porque surgiu a versão com motor a álcool, cujo consumo era bem maior

Os tanques da época – tanto para motores gasolina quanto para motores a álcool – tinham a chapa tratada com estanho para evitar a corrosão. Em 1984 a autonomia melhorou ainda mais, pois o Opala a álcool passou a ser equipado com um tanque ainda maior, de 88 litros. Já a partir de 1990 foi adotado para toda a linha o tanque plástico de 91 litros, de polietileno de alta densidade e alto peso molecular.

Já ouvi dizer que existiriam tanques até maiores, de modelos especiais, mas sinceramente não encontrei nada sobre o assunto.

O que não dá pra deixar de lado é, no caso de mudança do tanque, mudar também a boia de combustível, colocando um modelo que seja compatível, sob risco de ser enganado pelo marcador…

| Guardado em: O Projeto |

Deuce of Spades

05 abr 2015


Deuce of Spades (2011)

Título original: Deuce of Spades
Lançamento: 2011
Direção: Faith Granger
Roteiro: Faith Granger
Gênero: Drama
Duração: 150 min
Elenco:
Faith Granger – Faith
Timothy Luke – Johnny Callaway
Alexandra Holder – Bettie Thompson

“Quando uma jovem encontra uma misteriosa carta, que remonta aos anos cinquenta, escondida no roadster que acabou de comprar – e que estava abandonado há décadas num galpáo – ela fica com dúvidas e curiosa em saber do que se trata. É então que decide tentar descobrir o que aconteceu e reconstruir o passado conturbado de seu veículo em busca da resposta: quem foi Johnny Callaway?”

Gostei muito do filme. Somente o fato de ser ambientado – em parte – nos anos cinquenta e tratar das famosas corridas de roadsters já teria tudo para atrair minha atenção. Adicione um pequeno mistério, flashbacks, muita mecânica, muita velocidade e um suave romance… Bem, todos os elementos estão aí. Em especial, no que diz respeito às cenas de mecânica explícita, somente fazem é ferver a ferrugem que – não se enganem! – ainda corre nas veias deste velho opaleiro! Ainda que seja um filme “autoral” (dirigido, escrito, intepretado – e sabe-se lá mais o quê – por uma única pessoa), a trama se sustenta muito bem e, lá do meio para o final, não deixa de trazer uma interessante surpresa… Recomendo!


| Guardado em: Na telinha |

Família 1978

29 mar 2015

Dentro em breve voltaremos aqui com algumas novidades… Finalmente o Projeto vai andar! Milimetricamente, talvez… Mas vai! Os comentários pendentes serão liberados, textos serão atualizados, a poeira será espanada, o blog engatará a primeira e milhares e milhares de opaleiros poderão voltar a dormir! 😀

Enquanto isso fiquem com essa imagem da linha 78, que particularmente considero uma das mais lindas já lançadas em termos de propagandas da família Chevrolet!

Clique na imagem para ampliar!

| Guardado em: O Projeto |

O Fusca Trailer

14 fev 2015

Simplesmente fantástica essa ideia! Nâo sei se “pegou” – até porque o comercial é de 1974… Mas que é legal, isso lá é!

| Guardado em: No mundo lá fora |

Vão-se os aneis…

14 fev 2015

Mas que fiquem os dedos!

Às vezes, para que não abandonemos nossos sonhos, é preciso restringi-los. Ao menos em parte.

E a parte que tive que sacrificar – apesar de todo o tempo decorrido e todo o trabalho da busca – é justamente o do câmbio de 5 marchas. Não vai rolar. Vai ter que ficar para algum outro momento.

Só pra recapitular: o Titanic foi totalmente desmontado, as partes com ferrugem foram completamente extirpadas, foi feita a funilaria, foi realizada a pintura, a suspensão e os freios foram montados já completamente revisados e foi instalda uma direção hidráulica. Os próximos passos seriam a instalação de um câmbio de 5 marchas e a retífica do motor, pois estava subindo óleo no sexto cilindro.

Mas a grana reservada para esses passos teve que ser utilizada em prol de um bem maior. E tão cedo não tenho como reequilibrar minha conta-corrente. Mas esse carro vai sair de lá andando! Ah, se vai! Partimos, então, somente para a retífica. Nada de cortar o túnel, nada de adaptar câmbio, nada de quinta marcha.

Paciência.

Que se há de fazer?

Faz parte. 🙁

Mas de uma coisa podem ter certeza…

O sonho não acabou! 😀

| Guardado em: O Projeto |

Capacidade de frenagem

21 jan 2015

Eu ri…

| Guardado em: No mundo lá fora |

Questão de resistência…

10 jan 2015

| Guardado em: Antiguidades, Bizarrices |

Os Gatões

06 jan 2015

Apesar da “tradução” horrível que deram ao título, eu também curtia bastantes esse seriado. Talvez mais pelo General Lee que pelo bom humor e as gatas da época!

| Guardado em: Na telinha |

A Super Máquina

05 jan 2015

Só lembrando pra não esquecer… Alguém mais além de mim curtia esse seriado?

| Guardado em: Na telinha |

Opala 2015?

04 jan 2015

Pois é…

Já chegamos em 2015 e nosso querido Titanic continua na oficina. A expectativa é que agora, em janeiro, finalmente tenhamos alguma atividade mais contundente na reforma – o que, por sua vez, significará também uma atividade mais contundente aqui no blog. Enquanto isso não acontece, vamos tratando de outras banalidades!

Clique na imagem para ampliar!

Bonitão o carro, não é? Mas não adianta ficarem animadinhos, não! Essa é apenas uma “releitura” (de 2009) do Diplomata segundo o designer Eduardo Oliveira, famoso por “ressuscitar” projetos famosos das montadoras brasileiras. Particularmente gostei apenas do disfarce simulando a falta da coluna, aparentando aquele “rasgo” característico na lateral do veículo. O fato de ser quatro portas e não ostentar a famosa traseira no estilo Coke Bottle deixou o carro, na minha opinião, com a cara de ser somente “mais um” no mercado…

Mas, no fundo, no fundo, o que vocês querem saber é o que volta e meia surge nas redes sociais e à boca miúda por aí: que história é essa de relançamento do Opala?

Bem, não tem nada de novo nisso. De tempos em tempos – normalmente nas viradas de ano – ressurge esse boato. Isso porque esse nosso Clássico da Chevrolet, o Opala, nascido em 1968 e “aposentado” em 1992, ainda coleciona uma legião de fãs no País e que adoraria vê-lo novamente nas lojas de carros zero.

Clique na imagem para ampliar!

Entretanto não existe absolutamente nada de consistente nisso. Aliás, uma das características do Opala, que é justamente sua robustez, jamais encontraria eco no atual estado da técnica, que prima por lançar esses “carros de plástico”. Não, não acho que nosso Opala mereceria ser tratado dessa maneira…

| Guardado em: No mundo lá fora |

Péraê – tô entrando no túnel!

03 nov 2014

Alô vocês, quase quatro ou cinco fiéis que ainda costumam passar por aqui!

Sim, porque, antes de mais nada, o fim da reforma do nosso querido, amado e idolatrado Titanic é sobretudo uma questão de !

Como eu já havia dito lá em meados de junho (desculpem-me, estou com preguiça de caçar o link desse texto…), a dificuldade para encontrar um câmbio de 5 marchas para um motor de 6 cilindros seria gigantesca. Até porque a linha Opala só foi receber câmbio de 5 marchas no motor de 6 cilindros no ano de 1992 (pra ser bem específico, de janeiro a abril de 92). Ou seja, mosca branca. E de olhos azuis…

Então, a conclusão a que chegamos é que, como eu não pretendo participar de competições de arrancada, nem nada do tipo, o câmbio de 5 marchas do motor de 4 cilindros – se muito bem instalada e ajustada – vai me servir muito bem, obrigado.

Mas mesmo esse, em bom estado, também não é lá muito fácil de encontrar…

Entretanto, na conversa que tive com o Seo Waltair em minha última visita semanal, ele me contou que encontrou um que vale a pena. E, ainda, já vai poder aproveitar e recortar o túnel para também adaptar no Titanic. Não entendeu? Explico. Aquele “coiso” ressaltado que atravessa o Opala de ponta a ponta, bem no meio do assoalho e onde fica a alavanca do câmbio é o chamado “túnel”. Como o câmbio de 5 marchas é mais encorpado, então há que se fazer uma adaptação, recortando o existente e colocando o outro.

Sim, vai dar um trabalho do cão.

Não, esse trabalho ainda não começou.

Vocês sabem que o motivo da demora dessa reforma são basicamente dois: em primeiríssimo lugar é que eu confio cegamente na mão de obra e honestidade do Seo Waltair, e se ele diz que ainda não encontrou a peça certa, então é porque qualquer outra não vale a pena – e, nessa linha, ele está na caça de um funileiro da confiança dele para fazer essa adaptação (o mardito mudou de oficina e não deixou contato); e, em segundíssimo lugar, a grana tá pra lá de curtíssima e eu tô dando nó em pingo d’água pra garantir o pagamento desses serviços. Tá tudo reservado, mas meu banco já deve estar pensando em mandar uns mafiosos atrás de mim…

Enfim, caríssimos, agora que acabou o período eleitoral (vocês ainda se lembram que eu trabalho numa Prefeitura, né?) e ainda que permaneça uma (ridícula) disputa política por conta de um “terceiro turno”, doravante vou poder me dedicar ao menos um bocadinho a mais para a atualização deste nosso cantinho virtual.

Ah, e caso queiram saber um tanto quanto a mais a respeito das doideiras e filosofices deste ancião que vos tecla, recomendo veementemente a leitura do seguinte “best seller” – já com mais de quarenta exemplares vendidos! 😉

Clique aqui para acessar o site do livro!

| Guardado em: O Projeto |

Linha de montagem – 1983

03 ago 2014

Como andamos tanto sem assunto quanto sem novidades por aqui – apesar de eu ter muita coisa pra contar, tudo perdido lá nas catacumbas de meu computador – e enquanto o motor não volta da retífica, nem o câmbio de cinco marchas chega (que, diga-se de passagem, vai implicar numa alteração do túnel), vamos matar a saudade de um tempo que não volta mais…

| Guardado em: Antiguidades |

A crença dos motoqueiros

07 jul 2014

Não, eu não disse “motociclistas”.

Eu disse “motoqueiros”.

E quem sabe a diferença, sabe a diferença.

Esse vídeo já tem alguns anos – mas só agora eu vi. Mas só agora gostei…

Nós acreditamos em seguir nosso próprio caminho, não importa qual caminho o resto do mundo está seguindo.

Nós acreditamos em lutar contra o sistema criado para esmagar indivíduos como insetos num pára-brisa.

Alguns de nós acreditamos na autoridade lá de cima, todos nós acreditamos em resistir contra as autoridades aqui em baixo.

Nós acreditamos no céu e nós não acreditamos em tetos-solares.

Nós acreditamos em liberdade.

Nós acreditamos em poeira, mato, búfalo, montanhas e pilotar em direção ao pôr-do-sol.

Nós acreditamos em alforjes e nós acreditamos que os caubóis sabiam das coisas.

Nós acreditamos em recusar a derrota para qualquer um.

Nós acreditamos em vestir preto porque a cor não mostra sujeira. Ou fraqueza.

Nós acreditamos que o mundo está ficando mole e então não vamos ficar junto com ele.

Nós acreditamos em encontros de motocicletas que duram uma semana.

Nós acreditamos em atrações de beira de estrada, cachorros-quentes de postos de gasolina e descobrirmos o quê há depois da próxima colina.

Nós acreditamos em motores barulhentos, pistões do tamanho de latas de lixo, tanques de gasolina projetados em 1936, faróis do tamanho de trens de carga, cromo e pintura personalizada.

Nós acreditamos em chamas e caveiras.

Nós acreditamos que a vida é o que você faz dela, e nós fazemos uma viagem e tanto.

Nós acreditamos que a máquina sobre a qual você se senta pode dizer ao mundo exatamente sua posição.

Nós não nos importamos no que os outros acreditam.

Amém

| Guardado em: Dois Canecos |

Mais novos - passa a primeira! | Mais antigos - engata a ré!